Entrevista com Kamiya Hiroshi, dublador em Prison School




Nessa entrevista, Kamiya Hiroshi fala sobre seu papel em Prison School, o que ele pensa do anime e suas opiniões sobre o diretor, Mizushima Tsutomu.
"Prison School não é só um ero-anime" - dublador de Kiyoshi, Kamiya Hiroshi

Kamiya se tornou fã da série assim que ele começou a ler o mangá. Com belo visual e enredo envolvente, Prison School é uma história que combina toda a forma de punição possível com a história de um jovem entrando na fase adulta. Vamos ver o que Kamiya pensa.

Primeiramente, nos diga como lhe foi oferecido o papel.

Eu já havia trabalhado com o diretor Mizushima em Yondemasu yo, Azazel-san. Durante um encontro daquela produção, ele virou para mim e disse: "Kamiya-san você conhece Prison School? Eu quero torná-lo um anime, e espero que você possa dublá-lo." Nós haviamos bebido um pouco, então não sabia se ele estava sendo sério ou não, e eu não sabia nada sobre a série. Além disso, eu não tinha confiança em mim mesmo, então não é tão simples dizer algo como "é claro" para ele. Em vez disso, eu perguntei: "Estou muito lisonjeado, mas por que eu?" Para o qual ele respondeu: "Se você disser que sim, eu já começo a juntar o dinheiro [para começar a produção]". Então eu fui até uma livraria para dar uma olhada no mangá original. E era muito interessante! É o tipo de conteúdo que eu amo. Então em outra oportunidade que encontrei Mizushima, eu o disse: "Não importa que tipo de papel você vá me colocar, então por favor me deixe trabalhar nesse anime." E com isso ele disse: "Muito obrigado! Irei começar a juntar o dinheiro." (risadas)

O que mais te atraiu na série?

- A arte é linda, e o contraste em usar uma arte tão bonita para contar uma história cômica é interessante. O destaque é claramente a vulgaridade e obscenidade, mas o que realmente me atraiu foi o enredo da fuga da prisão. Kiyoshi e seus amigos ganham bastante conhecimento através das tentativas de fuga. A amizade entre os garotos é bastante atrativa. E a história é arrepiante, então estou sempre pronto para me levantar da cadeira na espera pelo próximo capítulo.

Você ficou sabendo que dublaria Kiyoshi após isso?

- Sim. Enquanto eu lia o mangá, pensava comigo mesmo: "Será que eu consigo corresponder a altura o personagem que me for dado? Não, não tem um será... eu TENHO que conseguir." Mas no fim acabou que Kiyoshi foi o papel mais fácil para mim.

O que passou pela sua cabeça enquanto gravava as falas de Kiyoshi?

- "Eu sou apenas um aluno qualquer do ensino médio." O personagem em si e a situação na qual ele se encontra são anormais, mas no fim, ele e seus amigos são apenas estudantes. Eu acredito que a história é sobre estudantes e o resultado de suas ações inocentes. Eu não tentei enfatizar isso... apenas tentei manter a mentalidade de um estudante na minha cabeça.

Que parte de Kiyoshi você se simpatiza?

- A parte como ele vai e volta nas coisas. Não há um sentimento de "Eu sou o que eu sou!" com Kiyoshi. E também a parte como ele valoriza seus amigos. Mesmo antes, eu sempre valorizei amizade. Eu sinto que posso realmente entender como ele coloca seus amigos na frente de qualquer outra coisa. E algo que está na letra da segunda abertura, de como ele é interessado nas garotas e querer demostrar isso, mas que no fim não consegue sequer dizer um "oi". Essa parte é muito coisa de um estudante do ensino médio. Eu era assim também, então posso me conectar com essa parte dele.

Enquanto eu dava uma volta pelo estúdio, ouvi várias risadas. A atmosfera daqui é sempre tão alegre?

- Sim. O elenco e a equipe gostam muito do trabalho, e quando você reúne tantos fãs, é normal ter muitas risadas e piadas. Os testes sempre foram divertidos, mas temos que nos esforçar para não rir durante a gravação de verdade.

Eu ouvi dizer que há bastante improviso.

- Há vários improvisos porque o script diz "improvise" nele. Por exemplo, em uma cena onde Kiyoshi e Gakuto estão planejando uma estratégia, Andrei e o resto estão ao fundo. Nesses tipos de cenas, não há falas escritas, apenas "improvise algo que combine com a cena". Então é um improviso mas dentro do contexto. Eu ainda não tive nenhum, mas se me for pedido, com certeza o farei.

Você recebeu qualquer dica ou pedido do diretor Mizushima?

- Antes do início das gravações, ele perguntou a todos: "todos leram o mangá?" E todos nós respondemos que sim, no qual ele respondeu: "Então estamos tranquilos." E é isso.

Que direto! (risadas) Com exceção disso, houveram outras trocas?

- O terceiro episódio estava lotado de conteúdo do trabalho original. É claro que tínhamos limites para deixar fiel, e não conseguíamos encaixar todas as falas. Somos humanos, então naturalmente temos limites. Mas quando eu me pronunciei para reclamar "essa parte é muito difícil", ele apenas respondia "Eu já tenho meus problemas para lidar, então, por favor, apenas dê o seu melhor." (risadas) De alguma forma, conseguimos terminar o episódio. Desde então, eu não disse nada parecido novamente ao diretor. (risadas)

É por conta de coisas desse tipo que o diretor Mizushima é chamado de "louco"?

- Louco é uma palavra muito forte, mas o diretor é definitivamente agitado. Ele é bem específico sobre quais falas soariam bem em quais cenas.

Parece que há várias cenas que são difíceis de transmitirem na TV nesse anime...

- É. Com certeza foi um desafio torná-lo apropriado o suficiente para ir ao ar. O diretor disse, "bom pessoal, não é melhor todos nós sermos presos de uma vez? Dessa forma nos daria mais publicidade também..." Nós fizemos o anime com esse tipo de tensão.


Então basicamente, você se preparou para o pior. (risadas)

- Imagino que sim. O que achei engraçado foi que o diretor fez o elenco ser responsável por isso também. Nós dubladores apenas lemos falas, que foram retiradas diretamente do mangá, então não temos como ser responsáveis por isso... Nesse sentido, imagino que ele seja mesmo um pouco louco. (risadas)

A música de abertura e encerramento foram ambas feitas pelos cinco personagens masculinos, certo?

- Sim. A abertura foi composta por Narasaki, e a letra por Ohtsuki Kenji, então acabou soando como minha banda favorita de músicas tipo Tokusatsu. Foi difícil de cantar, mas foi muito divertido poder ajudar a criar a música.

Por último, deixe uma mensagem para os leitores.

- Eu não tenho nada a dizer para aqueles que já nos assistem! Mas para aqueles que ainda não, por favor assistam! Por aqueles trinta minutos, você pode se sentir um idiota enquanto assiste nossas palhaçadas. Você com certeza vai gostar!

0 comentários:

Postar um comentário