Seriam os atuais eventos de anime chatos, ou nós que envelhecemos?




Todo fã de animes (e de toda a cultura nipônica que a envolve) que se preze já presenciou ao menos uma vez um evento de anime. Anime Friends e Ressaca Friends talvez sejam os mais conhecidos, mas mesmo pequenas cidades costumam ter algum evento do tipo uma vez por ano.

A primeira vez ninguém esquece (risos). Tudo é lindo, mágico, fantástico! Geralmente, a primeira vez que embarcamos nesse novo mundo é durante nossa pré adolescência, lá pelos 13-14 anos. Para a frágil e inocente mente de um jovem, ficamos maravilhados em ver pessoas personificadas de personagens que tanto amamos. Tudo é muito colorido e vibrante. Em poucos passos, exploramos tudo o que um evento de anime pode oferecer. Um passo pra esquerda e nós temos campeonato de cosplay, um passo para frente e nós temos karaokê, um passo para a direita e temos estandes de mangás e acessórios dos mais diversos, um passo para trás e esbarramos na moça vendendo a icônica bebida desses eventos, MUPY. (Não, não estamos sendo patrocinados, mas caso alguém da MUPY esteja lendo isso, vamos negociar)





Um oásis oriental no meio de uma sociedade ocidental. Minha primeira visita foi no Anime Friends de 2006, quase 10 anos atrás. Sim, meus jovens... este que vos fala já está velho e há muito tempo apreciando os traços nipônicos. Na época eu também estava com meus 14 anos e com os olhos arregalados a cada metro caminhado durante o evento. Fiz de tudo que era possível na época (o evento estava em sua 3ª edição, se não me engano), assisti campeonato de cosplay, ouvi gente tentando cantar em japonês, li plaquinhas com mensagens bestas e votações de quem ganharia uma batalha entre personagem x e personagem y, vibrei com os campeonatos de jogos, comi muita besteira e tomei litros de mupy, atirei com arco e flecha, comprei colares, chaveiros, bottons e mangás... MUITOS mangás. Saí de carteira vazia depois de muito tempo juntando dinheiro de lanche... mas com o coração cheio. O lugar foi mágico, fui embora com lembranças maravilhosas e saí de lá pensando na próxima vez. 

A próxima vez chegou. Um ano depois, aquela mente de 14 anos evoluiu para uma de 15. E, pode parecer estranho, mas é dos 14 pros 15 que damos um salto na nossa maturidade (não por completa, ainda somos muito imbecis, mas não tanto). Estava tudo lá. Os mesmos campeonatos, as mesmas atrações, os mesmas estandes, praticamente as mesmas pessoas. Foi tudo lindo de novo, e dessa vez, em adição a todas as compras do ano passado, eu levei pra casa uma katana decorativa. (Nem preciso comentar a cara dos meus pais em trazer uma espada decorativa pra casa, né?)

A próxima vez chegou. Um ano depois, aquela mente de 15 anos evoluiu para uma de 16. E pode parecer estranho, mas é dos 15 pros 16 que damos um salto ainda maior na nossa maturidade (ainda não completa, somos bestas, mas não tanto). Estava tudo lá. Os mesmos campeonatos, as mesmas atrações, os mesmas estandes, praticamente as mesmas pessoas. Foi tudo lindo de novo... foi?


De repente, as sensações inesquecíveis da primeira vez começavam a se deteriorar. Foi quando comecei a perceber que assistir os cosplayers já não eram mais tão impressionante quanto antes, que ouvir pessoas aleatórias cantando em japonês te dava dor de cabeça, que as tais plaquinhas só tinham besteira escrita nelas, que ver as mesmas batalhas de videogame já não eram tão emocionantes, que o MUPY começou a ter mais sabor de soja do que de fruta, que não valia a pena pagar 15 reais pra atirar 10 flechas, que todos os acessórios do estande eram de péssima qualidade e caros. O que não havia mudado eram os mangás. Sem dúvida os eventos ainda são um ótimo negócio para completar sua estante de casa.

De lá pra cá, dos meus 17 anos até meus atuais 23, fui mais umas 4 vezes. Sempre tentando recuperar aquela sensação da primeira vez, mas sem sucesso. A viagem só não é perdida, pois todo ano novos mangás lotam meu quarto.

Mas o que mudou? Será que foi a minha idade ou a fórmula desgastada do evento? Provavelmente os dois. Vamos abordar alguns aspectos do evento


Em cidades grandes, como São Paulo, ocorrem diversos eventos por ano. Os dois maiores são indiscutivelmente o Anime Friends e o Ressaca Friends, ambos dirigidos pela mesma organização. Existe o Super Con em Recife também. Além desses, há vários outros de menor porte, mas que possuem uma abordagem semelhante. A repetição de eventos em um curto tempo de um ano os torna menos especiais. A começar pelo evento em si, a mesma fórmula se manteve por um longo tempo, tendo mudado nos últimos anos com a adição de algumas atrações, como celebridades e bandas internacionais, salas dedicadas, etc. Porém a estrutura em si continua a mesma e com o problema de qualquer atração que se populariza... lotação. A cada ano que passava, a popularidade do evento aumentava. Chegou ao ponto crítico de atrair pessoas que sequer tinham apreço pelo evento em si ou pelo o que ele representa, que estão lá somente para "causar" e se pegarem. Não me leve a mal, trocar aquele olhar com a menininha vestida de Haruhi ou com o cara usando uma camisa do "L" é normal. Mas a imagem que ficou desses últimos eventos foi a mesma que a de um "rolêzinho". Um bando de criança que se acham crescidos falando besteiras que eles sequer entendem, usando as plaquinhas, outrora divertidas e criativas, que hoje se resumem a "vender" abraços e beijos comparável a um nível de prostituição mirim, e no geral pessoas mal educadas que ali frequentam. Em minha última, presenciei um grupo de moleques tirando onda com uma garota fazendo cosplay, fazendo comentários sobre a aparência física dela de um modo nada agradável. Se eu me senti mal, imagine ela. Isso é para provar como pré adolescente e adolescente são bobinhos, em grupo eles se sentem seguros e os "vida loca" pra provocar os outros, mas sozinhos ficam quietinhos.

No geral, minha experiência com esses eventos se tornou cada vez mais cansativa. Porém as ofertas de mangás continuam me atraindo para esses eventos, e com sucesso.

Mas será que o meu "amadurecimento" não faz parte desse processo também? Até que ponto minha cabeça não tornou essas atrações e as pessoas que a compõem, uma situação irritante?


É verdade que nós envelhecemos, ficamos chatos, começamos a nos irritar com gerações mais novas, e por aí vai. Sem dúvida, evento de anime faz parte de uma lista de coisas que perdemos pouco a pouco o gosto com o envelhecer. Pensamentos como "o que estou fazendo aqui" e "eu poderia estar em casa" surgem com frequência. Não quero desmerecer os eventos com esse post, acredito que eles são muito bem montados. Ressalto aqui, há uma dedicação incrível por parte dos cosplayers e de todos os promotores de entretenimento de lá, mas que infelizmente, com o tempo e a repetição, tornam os mesmos exaustivos. Soma-se isso com a insatisfação de uma pessoa adulta que não se enxerga mais naquele lugar. Mas há exceções, existem pessoas que genuinamente gostam de terem a mesma fórmula por anos, e se divertem em todas como se fosse a primeira vez, mas é algo que eu nunca poderei compartilhar. Eu gostaria de dizer que na minha época, os eventos eram melhores, que era menos modinha, que era pra se reunir com os amigos e compartilhar os gostos pela cultura. Eu gostaria de dizer que minha geração era melhor, mas a verdade é que é a mesma coisa... e é por isso que eventualmente todos os "frequentadores comuns" de eventos hoje, creio que trilharão o mesmo caminho que eu. O evento é o mesmo, o que mudou foi sua popularidade e as pessoas que o fazem. Não cabe a mim, de uma geração anterior, julgar pessoas da geração atual. O que se pode julgar é a estrutura do evento, e isso, indiscutivelmente, é exatamente o mesmo de 10 anos atrás.
Para finalizar, fica minha dica para vocês, leitores. Se você é jovem e fã de animes em geral e nunca foi a um desses eventos, vá, é uma experiência muito divertida e diferente. Se você é jovem e já frequenta... talvez você um dia esteja na minha situação, se é que já não está

0 comentários:

Postar um comentário