A linguagem floral das mulheres Kiznaiver







Entre o "são tão bonitas" e "essa é uma mensagem para alguém específico" está a linguagem das flores do encerramento de Kiznaiver. Incumbido de encerrar uma série que transforma personagens comuns de animes em arquétipos como os novos 7 pecados capitais, a conclusão de cada episódio apresenta as quatro protagonistas mulheres (provavelmente por serem mais atraentes ao público do que personagens masculinos) e suas flores, além de cenas de várias outras espécies de flores.

A seleção de personagens coloridas de Kiznaiver, são pressionadas por seus capturadores para revelarem um segredo em uma sessão forçada de "aproximação" para fortalecerem seus laços. As flores atribuídas à elas no encerramento preenchem detalhes sutis sobre seus respectivos personagens e seus papéis na série.




Rosa: Noriko Sozonaki

Noriko Sozonaki é uma parte desse encerramento, o que é um destaque já que ela é uma das superintendentes do sistema kiznaiver, e não só uma participante indisposta de um experimento social. Suas flores, a primeira vista, se assemelham a cravos, mas depois são reveladas como um buquê de rosas brancas, verdes e laranjas, mais formalmente organizadas do que qualquer outra flor mostrada.

Enquanto seu comportamento é um tanto sério e severo, o buquê de flores de Sonozaki é irresistivelmente alegre nas interpretações das cores das rosas. Branco representa pureza e inocência (comumente usada em arranjos de casamentos para simbolizar um novo início), laranja demonstra entusiasmo e paixão. Se laranja for interpretada como uma cor amarela, o significado muda um pouco para uma alegre amizade. Por último, verde, que ao contrário de azul, é uma cor que existe naturalmente (apesar de muitas serem tingidas também), é dito que traz renovação e rejuvenescimento de espírito. Juntas, suas flores apresentam um novo caminho na vida e novos relacionamentos. Esse é um contraste interessante com o seu papel em trazer esse grupo de kiznaivers juntas, já que elas provavelmente não são o primeiro grupo de kiznaivers, e essa é uma outra tentativa de obter um vínculo específico mencionado em seu discurso de encerramento no terceiro episódio da série.





Malmequer: Honoka Maki

Inicialmente distante e com um ar de perfeição e desinteresse, Honoka Maki é uma garota que possui, como uma auto-descrição, uma "péssima personalidade". Ela confessa já ter matado alguém durante sua introdução antes de brincar que era uma piada, no entanto, a série continua retratando dicas de uma possível e impressionante culpa. O segundo episódio de Kiznaiver mostra uma Maki perturbada vagando convenientemente em um necrotério, assombrado por uma garota morta de cabelo curto.





A garota posteriormente aparece no encerramento da série junto com Maki, enquanto essa aparece segurando o que parece ser uma malmequer no seu peito. Das várias interpretações da malmequer, as mais comuns são relacionadas às dores ou morte de um ente querido. A linguagem das flores da Era Vitoriana refere a maus tratos a um ente querido, enquanto no México são usadas para honrar os falecidos no Dia dos Mortos. Os problemas pessoais de Maki aparentam ser mergulhados em culpa sobre essa garota de seu passado. Enquanto sua participação na aparente morte dessa garota é desconhecida, esse incidente é algo no qual Maki está obviamente presa, que é ainda mais refletido pela flor malmequer.






Margarida: Chidori Takashiro

Acima de tudo, Chidori Takashiro deseja voltar a sua infância, a qual ela enfatiza para os outros como a melhor época de sua vida. Assumindo pelo segundo episódio de Kiznaiver de que ela amou Katsuhira Agata quando os dois ainda eram crianças que cresceram juntos, Takashiro quer que Agata volte a ser a criança feliz que ela se lembra, e não uma casca de um ser humano, que aparece no âmbito da linha do tempo da série. Qualquer espectador com meio cérebro vai perceber que, independente de tudo, ela ainda ama Agata, e que praticamente todas suas ações tem como objetivo fazê-lo voltar a ser o que era, a pessoa a quem ela amou.

Não coincidentemente, margaridas representam o retorno a infância ou inocência. Takashiro aparece carregando um punhado de margaridas brancas e roxas que simbolizam inocência, pureza e amor verdadeiro.



Blue-eyed grass (grama de olhos azuis): Nico Niyama

De todas as flores que aparecem no encerramento de Kiznaiver, a da falsa excêntrica de Nico Niyama são, apropriadamente, a mais difícil de identificar. Especificamente com seis pétalas e um roxo azulado, a flor se assemelha a blue-eyed grass, uma flor silvestre relacionadas as Íris. Em outras imagens, as flores de Niyama aparentam ser clematites azuis, indicando uma mente artística e bonita.





Outras flores presentes

Cada Kiznaiver carrega uma flor específica no encerramento, mas elas também colocam uma sequência de outras flores seguidas por uma rápida transição para seus olhos.




É dado a Sonozaki uma única peônia antes do encerramento mostrar seus olhos. Comumente sada na arte ukiyo-e (um gênero de arte japonesa), peônias são ditas de representar coragem, e vista como uma flor masculina que simboliza uma atitude mais indisciplinada e inconsequente.





Enquanto sua flor pessoal, margarida, é bem direta, Takashiro recebe lírios, flores silvestres de seis pétalas roxas que se assemelham ao buquê de Niyama. Recebe também narcisos, todos com significados impetuosos. Lírios são divisivas, representando pureza máxima, nobreza e santidade, mas também uma morte prematura, orgulho e luxúria. Narcisos declaram por um retorno de afeição ou amor, que é comumente não correspondido. Isso pode ser uma dica de que, apesar de seu suposto amor puro por Agata, a sua devoção apenas a levará para sua queda, devido ao seu orgulho e o que Sonozaki descreve como uma natureza irritantemente hipócrita.




A Magnólia é outra flor tradicional que é interessantemente atribuída a Niyama, uma pessoa que deseja se distanciar de sua rica família. Magnólias as vezes são colocadas por representar a mais elevada beleza feminina e uma nobreza natural. Como uma das flores mais antigas, magnólias são atribuídas a força e graça.





A última na sequência de flores é Maki, com uma série de flores difíceis de se colocar. Sua flor inicial vermelha escura parece ser uma orquídea rara, enquanto a flor, que se assemelha a uma flor de cerejeira, ter apenas 4 pétalas, ela aparenta ser mais uma cornus. Flores de cerejeiras são icônicas no Japão, que podem transmitir o sentimento japonês de "mono no aware" (transitoriedade da vida ou sensibilidade efêmera), já as cornus possuem um laço estranho com o cristianismo e são ditas de lembrar a crucificação. Em ambas, essas dicas se encorporam na culpa extrema de Maki em relação ao que aconteceu entre ela e a garota sem nome de seu passado.

Artigo original de Atelier Emily, 24 de abril de 2016.
Traduzido e adaptado por Kenji-san para a VSA.

0 comentários:

Postar um comentário