Estúdio responde porque seu anime não ganha segunda temporada








Botei imagem de Re:Zero já pra assustar, hehe.

Recentemente vários sites resolveram reviver uns tweets de setembro de 2015 (ou seja, mais de 1 ano) onde a produtora Marina Sasaki (responsável por Kiseijuu, Barakamon entre outros) reclamou no twitter e explicou porque alguns animes não ganham uma segunda temporada apenas para ganhar views fácil com esse assunto.

E nós também viemos publicar, mas com minha opinião um pouco mais lá pro fim, Abaixo ada mensagem do Marina Sasaki com sua tradução



Mangá é adaptado para anime → anime se torna popular → vendas do mangá sobem → discos Blu-ray do anime não vendem.

Essa é a dor experimentada pelas empresas que desembolsam 200 milhões de ienes para fazer um anime que não vende bem enquanto o mangá, que não pagou um único iene, consegue. Isso nos faz pensar, "nós nos dedicamos para isso?"



Se um mangá está vendendo o suficiente para lotar caminhões, então será feito! Naturalmente, as pessoas vão começar a esperar uma segunda temporada. Mesmo quando o mangá vende, mas nem mesmo um iene vai voltar para a empresa de anime → os discos Blu-ray não vendem → não há nenhuma maneira de uma segunda temporada ser feita.






E se você vender um monte de mercadorias licenciada da franquia? Royalties de mercadorias de anime é apenas uma pequena porcentagem da receita total. Se você vender 10 milhões de ienes de mercadorias, apenas algumas centenas de milhares de ienes vão para a empresa de anime. Se você não vender um monte de mercadorias, então não seria uma grande soma. No final, é difícil se os discos Blu-ray não venderem.



Uma segunda temporada ser trazida por um comitê de produção só acontece nos melhores casos. A maioria dos comitês nem sequer falam sobre uma segunda temporada. Olham para o 3º ou 4º volume de Blu-ray e calculam se podem minimizar suas perdas. Mesmo streaming, que era suposto ser um raio de esperança, não é forte o suficiente para ser um fabricante de dinheiro...




Como é feito um anime e como se supõe fazer para ganhar dinheiro? Seria ótimo se as empresas de anime pudessem revelar como eles fazem isso. Um exemplo concreto com figures seria o ideal.




Para clientes:

1. Os discos Blu-ray são muito caros.
2. Há muito anime sendo feito.
3. Há anime que o público nem sequer considera a compra.

No lado dos negócios:

3. Os discos Blu-ray não podem ser substituídos como fonte de receita principal.
4. Não há lugar para anime em um mundo de modismos descartáveis.

Essas poderiam ser as razões.

O que a Marina disse é realmente válido? Sim e não, depende, o que ela falou é uma verdade apenas para uma parcela da indústria, o que vemos e que muitas gente se baseia na venda de DVD/BD de animes para prever se este ganhará uma nova temporada, mas não funciona assim.

Existem animes que as vendas do DVD/BD apesar de serem bem-vindas, não influenciam diretamente no lucro do anime, no caso de Marina, o que pode ocorrer e que eles fizeram animes sem um comitê forte, e acabou que dependeram unicamente de dvd/bd como fonte de renda, o que é um grande erro.

Muitos poucos animes sobrevivem apenas de DVD/BD, a conta não fecha só com isso (faremos um post mais detalhado sobre isso), a verdade e que cada dia que passa, venda de DVD/BD influencia menos nos animes, é importante, é, mas não tanto.

Esperem por uma explicação mais profunda sobre isto futuramente, o que a Marina disse é válido apenas para o caso dela, não ache que isso vale para todos os animes.

Traduções dos tweets por Crunchyroll

0 comentários:

Postar um comentário