Entrevista com o criador de JoJo Bizarre Adventure

Entrevista com o criador de JoJo's Bizarre Adventure


Você deve conhecê-lo como o criador da série JoJo's Bizarre Adventure, mas há mais em Hirohiko Araki do que apenas essa série. Araki começou a publicar manga ativamente no ensino médio, perseguindo com determinação a sua escolha de carreira até finalmente conseguir algo com sua obra Poker Under Arms em 1981.

Ao longo dos anos, Araki desenvolveu sua técnica em algo que ele chama de "A estrada real para a criação de manga", no qual ele destaca em sua obra não fictícia "Manga na Teoria e Prática", recentemente publica em inglês pela Viz (Manga in Theory and Practice). Mais do que seus próprios manga, esse guia oferece uma introspecção às profundezas dos conhecimentos de Araki, e os conselhos que ele passa, são úteis para qualquer um que anseie uma carreira criativa em escrita ou arte.

Hirohiko Araki JoJo's Bizarre Adventure

A admiração de Araki pelo uso de diálogo de Hemmingway, as conquistas cinemáticas de Clint Eastwood, e os trabalhos de mangakas dos tempos áureos de seu meio não são apenas apreciações a esses artistas, mas sim um conhecimento fundamental no que torna eles tão excepcionais. De seus conhecimentos de como trabalhar até sua análise dos elementos que contribuem para a criação de uma obra de sucesso, Hirohiko Araki é um criador que está em sintonia com seu próprio meio, seus leitores e o conceito de literatura como um todo. Independente de qual temática louca seja, os manga de Araki são indispensáveis.

Acompanhe a entrevista realizada pela Anime News Network.

Seus fãs associam JoJo's Bizarre Adventure com a alta moda. Você poderia nos mostrar o processo pelo qual você chegou nos trajes de seus personagens?

Quando eu crio os trajes de personagens, fico atento em dois elementos: "vida cotidiana" e "fantasia". Eu imagino a moda do dia a dia alinhada com roupas estranhas, cartunizadas e bizarras que seriam impraticáveis na vida real.

Você não parece se prender muito a um esquema de cores específicas em seus personagens quando faz ilustrações de capa ou páginas coloridas. Por que isso?

Eu coloco mais ênfase em dar sentimentos e impressões diferentes aos leitores através de combinações diferentes de cores.

Quais poderes Stand foram os mais divertidos de desenhar? Existe algum poder Stand que você teve mais dificuldades em retratar?

Um dos meus stands favoritos é o "Harvest" de Shigechi (Shigekiyo Yangu).

Entrevista com o criador de JoJo's Bizarre Adventure
Um que tive dificuldades (não artisticamente, mas em termos de enredo e desenvolvimento) é "Deadly Queen" na parte 4. Eu senti que fiz ele forte demais. Não seria nada incomum se Josuke não fosse capaz de derrotar.

Steel Ball Run trouxe uma abordagem interessante a mangas de batalha, ao focar positivamente no retrato de um heroi com deficiência. O que o inspirou a criar Johnny Joestar?

Meu trabalho se envolve em protagonistas que amadurecem a medida em que eles superam suas dificuldades. Ao criar Johnny, eu não retratei necessariamente um heroi com deficiência. Ele foi o resultado final da minha busca em criar um personagem que pudesse amadurecer, tanto fisicamente quanto mentalmente, durante uma corrida onde ele seria forçado não só apenas a depender de outras pessoas, mas cavalos também.

Você comentou em outras entrevistas sobre como você desenhou corpos musculosos em Phantom Blood e Battle Tendency baseados na popularidade de Stallone e Schwarzenegger na época. Você também disse que mudou para corpos menos robustos para Diamond is Unbreakable e Vento Aureo porque os leitores estavam perdendo o interesse em homens musculosos e queria fazer mais coisas referente a moda. Steel Ball Run e JoJolion parecem representar bem outra mudança na evolução de sua arte. O que inspirou você nos visuais de Steel Ball Run e JoJolion?

Entre a parte 1 e 8, eu me esforcei em criar protagonistas distinguíveis que não possuam silhuetas ou aparências similares, incluindo seus trajes. Eu também fiz com que as funções do protagonista simbolizem o "mundo" que cada um vive, então a história influecia neles também. Além disso, eu também não quero dificultar a evolução da arte por conta própria, então sempre estou explorando estilos diferentes.

Entrevista com o criador de JoJo's Bizarre Adventure
Você trabalhou por diversos anos com um prazo de entrega semana como parte da Shonen Jump, até que mudou para um prazo mensal quando JoJo's Bizarre Adventure mudou para a Ultra Jump em 2004. Quais são seus sentimentos sobre o modelo de criação de manga semanal e mensal?

Ter um prazo de entrega toda semana, juntamente com capítulos mais curtos, restringe um pouco o que pode ser desenhado, além de exigir uma boa energia para aguentar a animação da próxima semana. Já o prazo mensal, há mais páginas e flexibilidade do que posso desenhar no meu próprio ritmo, o que funciona melhor comigo hoje.

Já se tornou uma piada corriqueira entre seus fãs e colegas de que você é um imortal que não envelhece. Você possui algum tipo de dicas de beleza para compartilhar com seus leitores?

Viva um estilo de vida mais calmo e lave seu rosto com água de torneia de Tokyo.

Entrevista com o criador de JoJo's Bizarre Adventure
Em "Manga na Teoria e Prática", você diz que o tema de todas as oito partes de JoJo é "uma afirmação de que a humanidade é maravilhosa". Poderia elaborar isso?

Eu acredito que pessoas são capazes de crescer ao superarem obstáculos através do poder do espírito e força humana, e isso, eu creio que seja uma "afirmação de que a humanidade é maravilhosa". Em JoJo's Bizarre Adventure, há lutas e histórias que envolvem diversos elementos. No entanto, no final, pessoas superam as coisas sem depender de máquinas ou seres divinos, e determinam os seus próprios destinos. Desenhar pessoas assim é a minha "afirmação de que a humanidade é maravilhosa".



0 comentários:

Postar um comentário