Mangá da Jump é acusado de violência contra mulher por expor cena ecchi a crianças

Mangá da Jump é acusado de violência contra mulher por expor cena ecchi a crianças



Explicando a treta, na edição 31 da Shonen Jump deste ano, que é essa da capa abaixo:

Mangá da Jump é acusado de violência contra mulher por expor cena ecchi a crianças

Teve uma ilustração bem ecchi que resultou numa treta na internet por conta da ilustração de capítulo do mangá Yuragi-sō no Yūna-san (apesar de ele estar na minha lista de mangás para ler, eu não sei sobre a história, mas ele é bem ecchi). Basicamente, a ilustração é essa aqui:

Mangá da Jump é acusado de violência contra mulher por expor cena ecchi a crianças

Essa ilustração é também o resultado do concurso de popularidade dos personagens do mangá.

Mas voltando a treta, muita gente não gostou da ilustração, por fazer as personagens femininas serem sexualizadas e que ela é inapropriada para o tipo de leitor que compra a Shonen Jump.

A advogada Keiko Ota pediu aos pais não deixarem seus filhos lerem a Shonen Jump, e disse que ''Descrever o abuso sexual como prazer é um problema'', o professor na Universidade de Osaku, Kazue Muta disse que as pessoas estão aprendendo desde cedo que ver as mulheres como objetos sexuais, ignorando os pedidos da parceira e achar que atos sexuais são normais

Isso porque as garotas na Ilustração estão nuas e suas expressões são de choro, vergonha e etc.

Porém existe o outro lado, pessoas falaram que impedir os garotos de lerem a revista é uma escolha pobre, e que ver imagens eróticas e parte necessária do crescimento para a vida adulta (eu mesmo vi pornografia a primeira vez com 12 anos). Uma pessoa comentou: ''É incômodo quando você força seu desagrado pelo sexo para crianças e para a sociedade'', e o advogado Yamato Sato concordou com isso e disse que se preocupa com a censura excessiva

A mangaka e escultora Megumi Igarashi (que ficou conhecida por ter feito um barco em formato de vagina) disse que o desejo de manter crianças longes de produtos eróticos e manter a pureza delas para sempre é um sinal do ego dos pais e pede uma educação sexual melhor.

O autor de mangás Tatsuya Egawa (de Golden Boy) disse no seu facebook sua opinião, ele falou que ''idiotas banem'' ilustrações como essas do mangá de Yuragi-sō no Yūna-san, e ele ainda completa dizendo que Yuragi-sō no Yūna-san é bem mais leve comparando ao mangá Harenchi Gakuen que estreou na Shonen Jump em 1968. Ele ainda disse que o mangá da Jump com a pior influência para as crianças e o mangá Barefoot Gen, que é sobre a bomba atômica em Hiroshima, mas ele completa ''É um erro não deixar as crianças lerem uma série só porque é um mangá ruim, As pessoas se tornam adultas lendo várias coisas''.

Ele fala mais e diz que as crianças devem ter liberdade para lerem: ''O importante é deixas as crianças pensarem por elas mesmas''.

O advogado Yoshitaka Miura disse que a ilustração de Yuragi-sō no Yūna-san é só um caso de ''Lucky Sukebe'' (pervertido sortudo), e que ''Não tem razão em afirmar que Lucky Sukebe são representações de assédio sexual e violência sexual''.

Lucky Sukebe são aquelas situações onde as garotas (garotos também) acabam por se atrapalhar e mostram mais do que deveriam, tipo como ocorre muito em To Love-ru, nesse mangá, por a Yuna ser uma fantasma, isso justifica o Lucky Sukebe por conta de suas habilidades como fantasma

E a Shonen Jump disse que sempre esta aberta as opiniões do público e que irá continuar trabalhando para criar uma revista que todos possam curtir.

Fonte


0 comentários:

Postar um comentário