Entrevista com os artistas gráficos de Re:CREATORS

Entrevista com os artistas gráficos de Re:CREATORS





Antes de começar a leitura, alguns pontos:

A entrevista é relativamente longa e não foi bem traduzida pro inglês, portanto é possível que haja alguns erros e problemas com nomenclaturas.

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS

Re:CREATORS é um anime com bastante reviravoltas. Uma de suas peculiaridades são os vários logotipos, nome de empresas e anúncios que aparecem nessa obra, e eles são desenhados pelo time de direção de arte, que inclui Tomoyuki Arima.

Ele é responsável em vários aspectos do anime, variando dos desenhos dos círculos mágicos até a interface do robô Giga Machina, pilotado por Rui Kanoya.

Nessa entrevista, falaremos sobre como os logos, que aparecem no anime, foram feitos. Conversaremos com Tomoyuki Arima e Shinichiro Miyazaki, o responsável pelo design dos círculos mágicos, que assets ele utiliza nas ilustrações e o segredo de suas técnicas.

"O objetivo é fazer esses desenhos memoráveis, mesmo que eles apareçam por apenas um segundo."

- Então, como vocês desenham os logotipos que aparecem no anime?

Shinichiro Miyazaki: Os logos são desenhados por toda a equipe de design, então a técnica em si varia de pessoa pra pessoa.

Tomoyuki Arima: Quando se trata de logotipos fictícios, é importante enfatizar a parte estereotipada deles. Você precisa olhar para a storyboard, o enredo, e pensar quais são os elementos necessários para transmitir uma certa sensação.

Miyazaki: O que eu faço é adicionar algumas linhas de explicação extra para cada logotipo que eu desenhei. Sempre tento entender que tipo de empresa estou representando e o que ela faz, e então as repasso para outros designers.

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS
Alguns logotipos fictícios. Apesar de não existirem, parecem estranhamente familiares.

- No roteiro diz aonde os logotipos serão utilizados? Como num letreiro, por exemplo?

Arima: Não, você precisa usar sua imaginação. Para propagandas que aparecem em jogos de smartphone, você também precisa adicionar um texto complementar, como o banner do app store, notas de direitos autorais, e algo como "procure ____ na loja (store)!". Eu uso bastante minha imaginação.

- Vocês geralmente trazem ideias sobre logotipos durante as sessões de brainstorming, e depois colocam designers diferentes encarregados na criação?

Arima: Exatamente. Nós conversamos no Skype todas as noites para ver o que está faltando e o que devemos criar. São coisas que foram pensadas cuidadosamente para se tornarem memoráveis, mesmo que sejam exibidas na tela por apenas uma fração de segundo.

- No que você se preocupa enquanto está desenhando os logotipos?

Arima: Sempre tento enfatizar a diversidade de tipos, e ao mesmo tempo, tento construir uma identidade desse logotipo.

É inútil apenas focar na aparência, e acho que é possível transmitir um tema mesmo mudando entre layouts diferentes.

É importante que os logotipos tenham uma história dentro das mentes de seus criadores.

Miyazaki: Temos essa conversa toda vez em que começamos um novo projeto.

- A propósito, quantos logotipos vocês já criaram?

Arima: Entre empresas e serviços, acho que criamos uns 30. Se você contar ícones também, é só multiplicar esse número por 3 ou 4.

- Como saber se você não está exagerando no seu logotipo? Como você confirma se eles ainda estão diferentes de outros logos que existem de verdade?

Arima: Bem, acho que fica tudo bem se o nome for diferente (risos). Mesmo assim, os logotipos que fazemos não são nada senão recursos, e quem decide como usá-los é o departamento de animação.

Algumas vezes, conversamos com o diretor Ei Aoki, sobre como retratar um logotipo em particular, assim que o elenco está por dentro.

Assim que confirmamos a ideia geral da imagem com o diretor, precisamos pensar se é melhor criar quantas pudermos logo de cara, ou se precisamos traçar sua essência básica primeiro. E também, eles vão utilizar elas para cenas enfatizando a realidade?

Quando tudo isso é resolvido, só precisamos nos atentar com logotipos que aparentam ser falsos. Isso é o que eu acho.

- No episódio 11, quando Sota Mizushino encontra Shimazaki na estação, aquela cena parece tão real.

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS
O panfleto para o evento fictício "Hakoniwa Conference". Tudo parece tão detalhado e realista!

Miyazaki: aquela cena em particular contem um número grande de detalhes e informações.

Arima: Como patrocinador do evento, há várias empresas, organizações, editoras e etc. A intenção era tornar o evento animado, mas também ficou bem claro que deveríamos dedicar um bom número de recursos nessa cena.

"Fazer os círculos mágicos começa com a personalidade dos personagens."

- Miyazaki, você é o encarregado dos círculos mágicos que aparecem no anime. Que programa você usa para desenhá-los? Illustrator? Photoshop?

Miyazaki: Eu uso com mais frequência o Illustrator. Deixa mais fácil de controlar os assets e você não precisa se preocupar com a resolução deles.

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS
Círculo Mágico de Altair

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS
Imagem ampliada.

- É incrível! Você usa materiais de sua coleção pessoal para criar esses designs?

Miyazaki: Alguns dos materiais que eu uso são parte de uma coleção, mas eu os ajusto por conta próprio, para deixá-los mais únicos e individuais. 

- Por exemplo, qual foi sua abordagem ao desenhar esse círculo mágico?

Miyazaki: Quando eu preciso desenhar um círculo mágico de um personagem em específico, eu sempre tento analisar sua história e personalidade.

- Eu entendo o que você quer dizer só de observar o círculo mágico de Meteora.

Miyazaki: Para Meteora, eu desenhei um círculo com aparência de realeza.

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS
Círculo mágico de Meteora

Arima: Quando ele começa a adicionar pequenos círculos em volta do principal, ninguém consegue detê-lo.

Miyazaki: É como se fossem um funil (risos).

- É um desenho bem enérgico. Eu gosto!

Miyazaki: Se eu pudesse falar um pouco sobre o círculo de Altair, devo mencionar que possuia uma origem bem especial. Ela é uma personagem baseada em outro personagem já existente, então é basicamente uma fan fiction. Muitos criadores trabalharam com ela, dando traços diferentes.

Por esse motivo, eu senti que precisasse criar um círculo caótico em vez de um normal. Eu tentei incorporar várias impressões de formas baseadas na sua personalidade e vestimenta. No entanto, não importa quantas fan fictions um personagem tenha, acredito que seus traços fundamentais são sempre conservados.

É por isso que eu incorporei alguns elementos do jogo Eternal Wars Megalosphere no desenho, de onde a Altair originalmente veio. 

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS
Logotipo de Eternal Wars Megalosphere

- Megalosphere está no centro, enquanto o resto do desenho se desdobra em volta dele.

Miyazaki: Exatamente. Muitos significados diferentes foram colocados nele até que finalmente chegamos em um consenso sobre o círculo mágico.

Arima: O círculo mágico de Altair é formado pela repetição de diferentes elementos.

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS
A primeira vista, parece como qualquer outra fonte normalmente utilizada em círculos mágicos. No entanto...

- Essas são as letras que aparecem em volta do círculo, né? Parece algo vindo de um livro mágico.

Arima: Na verdade, nós criamos essa fonte do zero e a tornamos em um arquivo para ser utilizada especificamente em círculos mágicos.

- Sério!? Eu sabia que era uma prática comum incorporar letras e símbolos em círculos mágicos, mas criar uma fonte do zero...

Arima: Nos colocamos o nome da fonte como "dark magic circle regular" (risos)!

Miyazaki: Os personagens no mundo dentro do anime são diferentes daqueles do mundo de verdade, e o sistema de linguagem também é diferente. Concordamos que criar algo do zero era o mais certo. Esses personagens são o suficiente para dar um sentimento especial aos círculos mágicos.

- Entendo! Acho que um dos grandes problemas dos criadores é perder essa sensação do "desconhecido" caso utilize coisas já existentes.

Arima: O legal de ser um designer é de poder criar algo como isso, usando poucos materiais como base. Com isso, criar coisas é o nosso trabalho. E, se comparado ao Kanji japonês, o alfabeto romano é mais fácil de desenhar!

- Qual o processo criativo por trás do design de um círculo mágico?

Miyazaki: A primeira coisa que eu faço é criar vários assets e registrá-los na paleta de pincel. Eu uso esses pincéis num formato circular, mudo a largura de certas linhas, as duplico e as coloco com a ferramenta de "path finder". E geralmente repito esses procedimentos várias e várias vezes.

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS
Os assets dos círculos mágicos

- Como você vem com ideias pros padrões de seus assets?

Miyazaki: Acho que fazer padrões pros assets é uma questão de tentativa e erro. Eu crio vários padrões e geralmente gosto daqueles que são mais fáceis de usar.

Depois disso, eu experimento adicionar algumas linhas oblíquas, ou tento criar formas radiais divididas em intervalos idênticos.

- Como você desenhou o círculo mágico de Meteora?

Miyazaki: Quando eu fiz o círculo mágico de Meteora, eu senti que queria fazer algo com uma sensação de realeza. Eu dei uma olhada nos clássicos e percebi que há muitos círculos mágicos neles, além de círculos rituais de mantras e feng shui. Eu misturei esses elementos com os mágicos, e o design final ficou algo bem complexo.

Apesar de ser um design com bastante informação, acho que se você mantiver a composição básica em seu melhor, será capaz de intepretar seus próprios detalhes depois naturalmente. Ao construí-lo com várias combinações de formas como círculos, triângulos, etc, ficará mais e mais preciso. 

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS
Círculo mágico de Meteora ampliado.

- Se ampliarmos a imagem, veremos claramente os detalhes. Infelizmente, muitos detalhes passam despercebidos no anime...

Miyazaki: Há um efeito de brilho aplicado nele no anime. É quase impossível de ver claramente os detalhes.

- A propósito, de onde você tira a inspiração para desenhar seus círculos mágicos?

Miyazaki: No começo, eu não sabia nada sobre eles, então a única coisa que eu conseguia fazer era revirar o Pinterest e Tumblr, procurando por algumas palavras-chave específicas e analisar qualquer coisa que parecesse um círculo mágico. Daí, eu combinei traços de meus personagens com modelos pré-existentes e preenchi o que faltava com detalhes.

- Você também desenhou a interface do robô Gigas Machina. Parece um design bem avançado. Você recebeu alguma indicação em particular?

Arima: Sobre o cockpit em 360º, algumas imagens dele foi lançada na primeira coletânea em Blu-Ray/DVD. Na reunião com Mr. TROYCA, ele me disse que queria que eu criasse uma situação onde uma pessoa estivesse dentro do monitor omnidirecional.

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS
O design do cockpit de Gigas Machina.

Arima: Nós também recebemos indicações sobre as janelas. Elas eram bem detalhadas do tipo "se você apertar esse botão, Gigas Machina ligará o autopiloto". 

- Ao focar em tantos detalhes, o trabalho final deve dar uma sensação maior de realismo. Quando eu vi que você podia controlar uma janela de comando ao colocar seus dedos, eu fiquei surpreso!

Arima: Eu tive essa ideia também. Uma interface que pudesse ser atrelada a mão e prendesse nas mesmas coordenadas. Eu tive ajuda de uma garota no escritório, cujo o tamanho era mais próximo ao de Rui Kanoya, dessa forma, eu consegui ajustar o tamanho da interface também.

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS
Isso é o que acontece quando você coloca sua mão.

- Parece tão real!

Arima: Nós também criamos coisas como isso...

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS
Realmente parece uma interface de controle de movimentos de um robô!

- O que "Reaction Limiter" significa?

Arima: Mesmo se normalmente o robô consegue apenas se mover dentro do alcance de movimentos dos seres humanos, usar o comando "Reaction Limiter" torna possível se mover além desse limite. No entanto, nesse caso, Kanoya vai ficar com alguns músculos doloridos (risos).

- Entendo! A propósito, quando esse design vai aparecer no anime?

Arima: Nunca. É uma das minhas esperanças (risos).

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS
Imagens da Interface Gigas Machina

Arima: Robôs geralmente vem com três interfaces ou telas: "poder", "reação", "controle". Cada interface tem uma cor diferente. 

- Falando em interfaces, que parte dos websites, que aparecem no anime, você trabalhou?

Arima: Nesse.

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS
O "Songbird" do anime. É bem similar ao Twitter.

- O posicionamento de vários elementos me lembram muito um website...

Arima: Nós desenhamos a interface de uma maneira bem objetiva. O PC que Matsubara usa vem com um navegador chamado Cerone e um sistema operacional chamado Screen, que é bem similar ao Windows. Sota usa o mesmo sistema operacional, mas ele é um escritor, então os aplicativos na barra de menu são completamente diferentes.

- Bem elaborado!

Arima: Essa cena foi muito importante para podermos criar um sentimento realista. Mesmo assim, há poucos elementos se comparado ao serviço original. Além disso, não há propagandas.

- Miyazaki, você também foi envolvido na criação da "caixa" do Blu-ray. Pode nos dizer exatamente qual foi sua função?

Miyazaki: Pensamos sobre a composição do personagem para cada volume e apresentamos ao autor Rei Hiroe. Colocamos os personagens juntos usando 3DCG, e adicionamos vários elementos para explicar o que iria acontecer naquele volume em particular.

- Qual parte da caixa você ficou mais orgulhoso?

Arima: O fato que Anitype, uma revista existente no anime, é vendida de verdade também.

- A parte de trás da capa do volume 1 do Blu-ray/DVD é a capa da Anitype, certo? Eu vi no site oficial. É realmente como se fosse uma revista.

Arima: É um livreto de 40 páginas, mas eu queria que ficasse mais como uma revista do que um simples livreto. Lá tem artworks e círculos mágicos aparecendo no título, as artworks e times mágicos na drama também estão inclusos, e você pode ver que a light novel original de Selesia Upitiria, Elemental Symphony of Vogelchevalier, é bem feita também, com uma parte de trás e uma obi origami que você não pode ver no anime em si.

Miyazaki: E também, as imagens nos pacotes são CG's e não fotografias.

- Hã? Não são fotografias?

Miyazaki: É tudo CG. Ao escolhermos CG em vez de fotografias, não precisamos sacrificar nenhum pixel. Isso também facilita organizar o visual.

Entrevista artistas gráficos Re:CREATORS

- Ficou claro que vocês não focaram apenas na caixa em si, mas em também como exibí-la.

Miyazaki: Trabalhos como esses geralmente são "avaliados" por suas miniaturas, mas eu sinto que é importante a sensação de entender que tipo de conteúdo está por dentro apenas olhando a beleza do pacote.

Arima: Eu geralmente foco em algo que não tenha um tom muito natural. Quando eu vi o resultado final, percebi que era exatamente o que eu estava esperando.

- É bom atingir seus objetivos! Obrigado pelo tempo.


0 Comentários:

Postar um comentário