Estudo Europeu mostra que a Pirataria não afeta as vendas em geral

Estudo Europeu mostra que a Pirataria não afeta as vendas em geral




A Comissão Europeia pagou 360 mil euros (aproximadamente R$1.345.000) por um estudo sobre como a pirataria impacta as vendas de conteúdos com direito autoral como músicas, livros, jogos e filmes. No entanto, a comissão não chegou a compartilhar esse estudo, possivelmente porque não houve conclusões ou evidências de que a pirataria seja o maior problema.

Estudo Europeu mostra que a Pirataria não afeta as vendas em geral

A empresa holandesa, Ecory, foi encarregada de pesquisar o impacto da pirataria por vários meses, e por fim, enviou um relatório de 304 páginas a União Europeia em Maio de 2015. O relatório concluiu que: "Em geral, os resultados não mostram evidências estatísticas concretas de mudanças nas vendas por infrações onlines de direitos autorais. Isso não significa necessariamente que a pirataria não tenha efeitos, mas apenas que em nossa análise estatística não há provas com confiabilidade suficiente de que há um efeito".

Animes pirataria

O relatório mostra que downloads e streams ilegais podem até impulsionar as vendas de jogos. A parte negativa ficou mais presente com os grandes filmes: "Os resultados mostram uma taxa de substituição de aproximadamente 40%, o que significa que a cada dez filmes mais assistidos recentemente de forma ilegal, apenas quatro ou menos são consumidos legalmente".

Esse estudo veio a tona porque Julia Reda, membro do Parlamento Europeu representando a "German Pirate Party", postou o relatório em seu blog pessoal após conseguir uma cópia através da lei da Liberdade de Informação Europeia com um pedido de acesso aos documentos, não associado a Comissão Europeia. A organização EDRi (European Digital Rights) sugeriu em um post no seu blog de que os conteúdos desse estudo foram, intencionalmente, desconsiderados. Para isso, eles apontam que em 2016 a Comissão Europeia relatou um estudo acadêmico "Movie Piracy and Displaced Sales in Europe" (Pirataria de Filmes e Mudanças nas Vendas na Europa) onde mencionaram apenas a parte em que a Ecory percebeu que a relação entre pirataria e os grandes filmes acarretavam em perda nas vendas, deixando de lado outros pontos relevantes do estudo.

Animes pirataria

Nota Pessoal: Estudo são estudos, vemos isso direto em qualquer área, como medicina ou tecnologia. Estudos não são fatos. Isso não significa, necessariamente, que a pirataria não impacte as vendas e infrinja direitos autorais. É óbvio que isso existe, a questão é o quão impactante de fato ela é. PESSOALMENTE, eu acho um ato imoral e aético, mas que muitas vezes se faz necessário por ser a única alternativa. Em uma época onde eu era adolescente e não possuía renda própria, comprar CDs ou músicas digitais era absurdamente caro e inviável. Hoje, felizmente, há opções completamente disponíveis e acessíveis como Spotify, iTunes e até mesmo o YouTube que acabam apoiando seus artistas favoritos. Mesmo os adolescentes de hoje em dia não tem os mesmos impeditivos que antigamente. Convenhamos que, se você se diz amante de música e filme (e todo seu universo, incluindo atores e diretores), não ter o mínimo como um apoio pelo Spotify ou Netflix, é um pouco irônico. Na minha concepção, com muitos conteúdos completamente acessíveis, é possível de apoiarmos nossos criadores de conteúdo de diversas formas, e a minha única visão aceitável da pirataria, é quando não temos o conteúdo disponível de forma legal e acessível, como acontece com vários animes, por exemplo.

Fonte

0 comentários:

Postar um comentário