Será que no futuro os Animes 3D irão dominar o mercado?

Será que no futuro os Animes 3D irão dominar o mercado?




Daqui 10 anos, em 2027, como será que os animes serão? Será que o gênero Mecha será mais utilizado? Ou será que Romance será o predominante? Apesar de não ser possível prever que tipo de gostos e gêneros serão apreciados com mais frequência em um futuro próximo, pelo menos um assunto a gente pode começar a discutir agora. No futuro, a maioria dos animes serão 2D ou 3D?

Será que no futuro os Animes 3D irão dominar o mercado?

Atualmente, a animação 2D é a mais popular... pelo menos no Japão


Se você perguntar a qualquer fã de animes hoje se eles preferem animes em 2D ou 3D, podemos dizer com certeza absoluta que a grande maioria diria 2D (se já é assim com as waifus, imagina com animes em geral). Em contrapartida, o resto do mundo tem adotado um gosto maior por animações em 3D, basta ver como esse tipo de entretenimento ficou extremamente popular e lucrativo em cinemas ao redor do planeta. No entanto, o foco do mercado japonês na animação continua sendo as obras 2D. Essas obras são as que são mais vistas na TV, são consideradas as mais relevantes e recebem o maior apoio financeiro, investimento e propagandas.

Animes 2D são tão populares, que a maioria dos animes 3D tentam replicar esse estilo de arte. Alguns do estúdios de mais sucesso são o Khara , Sanzigen e Orange. Ao combinarem modelos 3D com cores e texturas planas, e ao simular formas de movimentação típicas de animes 2D, esses criadores são capazes de implementarem uma estética que é popularmente aceita, mas ao mesmo tempo aproveitam as vantagens das exclusividades artísticas que somente a animação 3D pode oferecer.

Animes 3D

Os animes convencionais 2D, além de possuírem um alcance maior de público, também tem uma infraestrutura e uma indústria complexa que permite que centenas deles sejam produzidos todo ano. Com a facilidade de acesso a softwares de animação que permite que qualquer um crie uma obra até mesmo no próprio conforto de casa, muitos profissionais e aspirantes a animadores são formados e possuem um portfolio para apresentar, sem sequer terem frequentado escolas caríssimas de animação. A demanda é tanta que a indústria precisa lidar com essa "sobrecarga" de produção.

Isso tem sido chamado de "sobrecarga de anime". Há tantos investidores no cenário de anime, com tantas demandas específicas para o que querem em cada nova série criada, que as equipes e empregados da indústria se encontram em uma situação onde eles precisam se dividir em diversos projetos. Até mesmo grandes nomes como One Punch Mand, High School DxD e Kekkai Sensen já perderam seus diretores, provavelmente por estarem ocupados com outros projetos. Apesar de ser presunçoso dizer que todo o universo de anime 2D sofrerá com esses problemas... uma coisa que todos nós deveríamos nos preocupar e se perguntar: "Será que os problemas envolvendo a produção de animes 2D resultará em menos animes sendo feitos, e com isso, criará maiores condições para produção de animes 3D?"

Animação 3D são mundialmente reconhecidas e adoradas

Apesar de no Japão a opção por 2D ser infinitamente mais popular, vale lembrar que animes são assistidos por pessoas do mundo todo. A representação de fãs estrangeiros, tanto financeiramente quanto culturalmente, aumenta cada vez mais. Com tantas crianças hoje apreciando a animação 3D na TV (até mesmo no Japão), essa "rejeição" que muitos fãs de anime tem em relação a animação 3D não é tão relevante se considerarmos que grande parte do publico ocidental cresceu assistindo shows em 3D, como Jimmy Neutron. E no Japão, programas nessa pegada também estão caindo no gosto do público infantil.

Aliás, vários estúdios de animação 3D no Japão já reconheceram o apelo que essas obras tem no resto do mundo. Shuzo John Shiota, CEO da Polygon Pictures, aponta que o objetivo de sua empresa é ser capaz de fornecer animação que o mundo inteiro goste.

Animes 3D

Apesar do estúdio estar presente desde 1983, foi quando Shiota chegou na presidência da empresa em 2003 que tudo mudou. Até aquele momento, Polygon havia participado exclusivamente em produções japonesas. Entre essas produções, está o filme Ghost in the Shell 2: Innocence, mas suas atuações eram mais limitadas. Porém, de 2003 pra frente, eles se envolveram cada vez mais com produções ocidentais, que por fim resultaram na produção de obras de sucesso ao redor do mundo como a série Star Wars: Guerras clônicas e Tron: A Resistência da Disney.

Em 2014, após ter conquistado sucesso no ocidente, a Polygon começou a criar animações que se assemelham mais com animes tradicionais. No entanto, apesar de isso parecer uma estratégia para focar na audiência japonesa, os métodos de distribuição do estúdio provam que Shiota não desviou nem por um segundo de seus objetivos. Apesar de produzir animações japonesas que são transmitidas em TVs e cinemas locais, ele também está lidando diretamente com a Netflix para que essas produções sejam apresentadas ao mundo todo, dublado e legendado em diversas línguas. Um caso parecido com isso foi a obra Gantz: O da Digital Frontier, filme que foi anunciado globalmente na Netflix apenas 3 meses após sua primeira exibição nos cinemas do Japão.

Animes 3D

O problema na produção de animações 3D

Partindo das informações acima, podemos assumir que as animações 3D estão, em bons passos, se tornando algo comum na criação de anime. Há mais fãs de animes fora do Japão do que dentro, então há bastante margem para aceitação dessas obras 3D. O grande xis da questão é que sua produção é extremamente difícil sem uma boa infraestrutura. O Japão pode produzir animes 3D de boa qualidade com uma boa frequência, mas chega longe de competir com o número de produções possíveis e feitas em 2D por temporada. Se você quer um exemplo de um anime 3D feito sem uma boa infraestrutura, preparação e experiência, assista a versão de 2016 de Berserk.

Animação 3D é difícil, consome bastante tempo e custa muito dinheiro. Por isso, ela é usada com frequência dentro de animes 2D em cenas que não são possíveis de serem feitas com animação 2D. Mas algo de interessante de ressaltar, é a percepção de nós como espectadores quanto a animações 3D e 2D. Apesar de ressaltamos uma boa animação 3D, qualquer falha ou alguma coisa estranha nesse tipo de animação geralmente recebe críticas duríssimas e pesadas. Quando falamos de animações 2D, somos muito mais tolerantes e compreensíveis. Provavelmente, isso acontece porque quando a animação 2D tem problemas, são pequenas falhas de movimentação que pode fazer o personagem parecer meio "bizarro", mas no caso de animação 3D, os erros são muito mais perceptíveis com animação robótica, iluminação estranha, ou movimentos nada naturais.

Animes 3D

Mas o futuro é difícil de prever. Mas eu acredito que ainda vai demorar muito tempo para que as pessoas deixem de lado as características "únicas" que somente anime 2D pode oferecer. No entanto, isso não significa que as coisas vão continuar da mesma forma que estão. Com produções da Ufotable, Kyoto Animation e Makoto Shinkai demonstrando o que pode ser feito com boas combinações de 2D e 3D, é possível que veremos ótimas evoluções nesse tipo de obra. Provavelmente veremos mais animações completamente 3D também, mas que hoje ainda não são suficientes para agradar todos os fãs de anime igual as animações 2D conseguem.

E você? O que acha de animações 3D? Elas são o futuro?













0 Comentários:

Postar um comentário