Entrevista com o Diretor de Princess Principal

Entrevista com o Diretor de Princess Principal




Princess Principal é um anime que se passa em uma versão alternativa steampunk de uma Londres da Era Vitoriana. O anime acompanha um grupo de cinco moças, espiãs profissionais, que são colocadas em um jogo de identidades falsas e intrigas políticas. As várias cenas de ação e o ritmo do anime, juntamente um com um elenco cheio de personagens carismáticos, transformam Princess Principal em um dos sucessos dessa temporada. Nessa entrevista, o diretor Masaki Tachibana, responde algumas perguntas realizadas durante o Anime NYC que acontece na cidade de Nova Iorque.

- Primeiramente, o que inspirou um anime tão único como esse?

Bem, eu e o produtor da Bandai Visual, Atsushi Yukawa, começamos a conversar sobre um anime onde garotas do ensino médio seriam espiãs. Ele gostou bastante da ideia, e foi desse conceito que nós partimos.

- Há um contraste entre as personagens fofas com um cenário e história sombria. Isso foi intencional, e caso sim, qual foi a inspiração por trás disso? 

Já existe muito anime por aí com vários personagens fodões fazendo coisas legais. Quando chegamos na fase de design dos personagens, pensamos quem seria a pessoa ideal para fazer personagens fofos mas que pudessem agir de outra forma também. Pensamos em Kouhaku Kuroboshi. Ele é alguém com um traço suave e fofo, mas capaz de fazer esse contraste. Acabamos fazendo algo meio a meio.

- Vocês fizeram bastante pesquisa sobre a época em que o anime se passa? Parece um retrato bem fiel da atmosfera social durante a Era Vitoriana em Londres.

Como se tratam de espiãs, queríamos fazer algo por volta do século 19. Conversei com Yukawa-san sobre isso, e eu disse que já que estamos fazendo dessa era, eu gostaria de fazer algo steampunk. Então se a temática é steampunk, a Era Vitoriana parece ser um lugar perfeito para misturar tudo isso. A pesquisa foi feita por Seiichi Shirato-san, e ele fio o encarregado de conhecer as tecnologias e as limitações daquela era.

Entrevista Princess Principal

- A troca de Ange com a Princesa me lembrou de uma famosa história ocidental chamado "O Príncipe e o Mendigo". Você tirou essa inspiração dessa história ou é só uma coincidência?

No Japão, O Príncipe e o Mendigo também é uma história famosa. Todos nós conhecíamos a história e pensamos que poderíamos transformar isso em algo novo.

- Há uma versão japonesa dessa história?

Creio que seja a mesma história que vocês conhecem sobre um príncipe e um cara pobre, então provavelmente é uma influência ocidental.

- Que motivo levou vocês a contarem uma história fora de ordem? Será possível um dia nós descobrirmos o que aconteceu entre os "casos" diferentes?

O motivo de não seguir uma ordem cronológica é porque queríamos mostrar todos os personagens no primeiro episódio, para que vocês pudessem ver o que elas fazem como espiãs. No entanto, o segundo episódio é, cronologicamente, o primeiro episódio. Fizemos isso porque queríamos que o primeiro episódio que fosse exibido tivesse um efeito maior. Por exemplo, Chise aparece mais ou menos no meio da temporada, e mesmo assim ela não tem muito tempo de tela, mas nos queríamos mostrar ela logo no início da série. Dessa forma, o mistério se constrói mais facilmente pros espectadores, fazendo com que eles fiquem se imaginando o que aconteceu. A respeito do que aconteceu entre os diferentes casos, honestamente, nós tivemos algumas ideias mas não foi decidido nada oficialmente. Mas isso pode ser mudado dependendo do que acontecer com a série.

Entrevista Princess Principal

- Alguns fãs acreditam que há sentimentos românticos entre Ange e a Princess. Eles existem ou estão forçando a barra?

Quanto a isso, deixamos para as suas imaginações. Para Ange, com certeza ela sente um grande sentimento de amizade e confiança. Mas nós não interpretamos isso como algo romântico quando estávamos fazendo. No entanto, não é uma questão de 8 ou 80, isso não tem graça. Então fica a cargo da imaginação de vocês.

- Chise é uma personagem bem interessante. Geralmente em um anime, vemos um personagem "estrangeiro" como um ocidental que está conhecendo a sociedade japonesa pela primeira vez, mas nesse caso, foi justamente o contrário. Como você encarou isso?

Como a história se passa em Londres, é claro que todos serão europeus. Mas as pessoas que fazem esse anime estão em um estúdio japonês, então queríamos uma personagem japonês com quem a equipe pudesse ter um certo de simpatia, mas ao mesmo tempo, causasse algum tipo de transtorno numa sociedade ocidental.

- Princess Principal é bem diferente de outros animes que você dirigiu ou trabalhou. O que o te motivou a dirigir esse projeto?

O motivo pelo qual eu acredito que Princess Principal é um anime perfeito para mim é por conta dos trabalhos que eu fiz no passado, como Ghost in the Shell: Stand Alone Complex, que é uma mistura de temas de ação, história e política. Então, Princess Principal se encaixa bem com esse tipo de universo. Esse é o motivo pelo qual Yukawa-san pensou que eu fosse a melhor pessoa para esse trabalho.   

Entrevista Princess Principal

- Houve várias coisas que não foram resolvidas no fim da temporada. Isso significa que teremos uma segunda?

Eu não sei exatamente o quanto eu posso falar no momento. Nosso sentimento é de continuar com Princess Principal.

- Hipoteticamente falando, se houvesse uma segunda temporada, você a dirigiria?

Provavelmente, sim!

- Qual foi a coisa mais divertida (ou mais difícil) ao trabalhar nesse anime?

Uma coisa que eu definitivamente achei divertido é que... como as personagens são muito fofas, eu achei que desenhar diferentes expressões e fazê-las interpretá-las foi algo bem agradável. Sobre o que foi mais difícil... eu diria que foi manter a consistência na qualidade. Como a história se passa no século 19, em uma fantasiosa Londres Steampunk na Era Vitoriana, foi necessário muita pesquisa. Foi bem difícil fazer os animadores desenharem tudo de forma bem realista.

- Qual foi a inspiração por trás do componente de metal no pescoço de Beatrice e sua habilidade de alterar sua voz?

Ichiro Ohkouchi (encarregado do script) sugeriu que deveria haver uma personagem que pudesse ser mais relacionável com os espectadores, então Beatrice é relativamente uma espiã novata. Alguém desse tipo precisa existir na história para fazer as perguntas do tipo "o que é isso?" durante as missões, para que o público possa entender e vê-las melhor como espiãs profissionais. Mas, se há uma pessoa nova no pedaço, não tem motivo para ela continuar na história a não ser que ela tenha alguma função ou habilidade única. No caso dela, é a habilidade de mudar sua voz. Ela precisava de algum tipo de vantagem para justificar sua presença no grupo.

Entrevista Princess Principal

- Você pode me dizer mais sobre o planeta Black Lizard?

O planeta Black Lizard estava presente desde a primeira versão do script que Ohkouchi escreveu. Ele meio que explica a personalidade de Ange e de ser uma personagem muito estranha, melhor dizendo, única. Isso enfatiza suas mentiras. Isso dá um sinal aos espectadores de quando ela está contando uma mentira. Quando é algo de seu passado que ela quer se livrar de si, ela bota na perspectiva do planeta Black Lizard. Ela usa para se separar do que ela costumava ser. Eu acho que a importância de se ter como "Planeta Black Lizard" é o fato de que todo mundo pudesse perceber que se trata de uma mentira. Mas o porquê especificamente de ser o Planeta "Black Lizard"... talvez Ohkouchi seja o único que saiba.

Obrigado!












0 Comentários:

Postar um comentário