Vamos esclarecer de uma vez a Importância das vendas de DVD e Blu-ray de animes

Vamos esclarecer de uma vez a Importância das vendas de DVD e Blu-ray de animes - GUIA VSA




Vamos finalmente falar de forma séria e franca sobre essa questão das vendas de DVD/BD e sua relação com decisões de segunda temporada, o que elas realmente influenciam e suas verdades.

Eu decidi fazer esse post pois acabei de postar o PV da 4º temporada de Shokugeki no Souma e apareceram dúvidas sobre as vendas de discos.

O texto é longo e chato, se você prefere continuar acreditando nesse conto de fadas, ok, a escolha é sua; caso você tenha um mínimo de curiosidade possível em saber como a indústria funciona mesmo, e o que vendas de DVD/BD realmente significam, leia tudo. Eu deixarei links ao longo do texto para você ler mais matérias e se inteirar mais sobre.

Antes de começar, uma breve historinha minha

Até o final de 2016 eu era uma pessoa que acreditava fielmente que se um anime vendesse DVD/BD suficientes, acima de 4.000 cópias pelo menos, as chances de segunda temporada daquele anime cresceriam bastante. É, eu era um desses, e nessa época eu não falava sobre a indústria aqui no site da Você Sabia Anime, só postávamos curiosidades mesmo, mas aí algo mudou.

Kobayashi-san Chi no Maid Dragon foi o que mudou (além de outros animes). Quando o anime estava prestes a terminar, eu postei várias curiosidades legais sobre ele, e o que eu via nos comentários era ''pena que não vai ter segunda temporada com as vendas baixas de DVD/BD''. Eu já recebia comentários assim antes e não ligava, mas esses comentários aumentaram tanto que, mesmo eu acreditando nisso, me irritei e fui estudar sobre o assunto para ter certeza se era assim mesmo que a coisa funcionava.

Paralelo a isso, desde a metade de 2016 eu recebia vários pedidos no inbox da página para fazer posts de chances de segunda temporada, mas eu nunca tive muito interesse nisso, então eu respondia sempre a mesma coisa aos curtidores: ''vamos esperar para ver se terá algum anúncio no futuro =)'', e essa era a mensagem padrão.

E então eu estudei muito, li entrevistas, muitas entrevistas, melhorei meu japonês para ler notícias direto do Japão, conversei com muita gente (graças a ter começado a usar mais o Twitter tive mais contato com pessoas mais ligadas a indústria), li muitos artigos e depois que me senti pronto, eu soltei o primeiro Fez Sucesso do site, que foi de Re:Zero

Não foi algo do dia pra noite, eu literalmente passei meses estudando e lendo sobre o assunto.

E muitos de vocês gostaram, muitos de vocês viram que a análise estava bem completa e muitos começaram a enxergar que existe muito mais do que só dvd/bd em animes e começaram a ver que existem fatores até mais importantes.

E depois de ver tanta coisa, eu descobri a verdade chocante: venda de dvd/bd influencia bem pouco na verdade.

Primeiro vamos entender o DVD/BD de anime. Um blu-ray de anime é o que você vê na imagem abaixo:


Isso é um exemplo de Blu-ray de anime. Vem o cd, às vezes vem um extra como um drama cd ou música, um livrinho especial com informações extras e os end cards quando tiver, e mais extras a depender da série.

Normalmente cada volume vem com 2 ou 3 episódios.

E às vezes sai o Blu-ray BOX de um anime

Que é a mesma coisa, mas é a série completa, todos os episódios.

Isso são os famosos blu-rays que muita gente quer que venda.

Agora vamos começar com as verdades sobre eles.

1. O quão importante são as vendas de DVD/BD?


Depende. Vendas boas de discos podem fazer um anime lucrar muito, mas vendas baixas não necessariamente significam que o anime foi um fracasso. Uma explicação detalhada de ''como funciona os negócios'' requer um monte de detalhes complexos, mas por hora o importante é você saber que venda de DVD/BD é apenas mais uma fonte de lucro para animes ao lado de várias outras, como:
  • Mangás e Novels;
  • Figures e brinquedos;
  • Mercadorias dos personagens;
  • Música, Drama CDs;
  • Games, Visual Novels, Mobile games;
  • Propaganda;
  • Aluguel;
  • Eventos;
  • Audiência na TV;
  • Colaboração com lojas (como Famima, Lawson);
  • Streaming;
  • Licença internacional;
  • entre várias outras fontes.
E nisso eu estou me desviando do mundo bizarro da divisão do lucro entre as empresas do Comitê. A grande maioria dos animes é financiada por várias empresas como editoras, produtoras de dvd/bd, produtoras de músicas, desenvolvedoras de games, canais de TV, estúdios de animação, fabricantes de brinquedos e etc, e cada empresa tem um corte diferente no lucro dos animes, então apenas as vendas de DVD/BD por si só não definem se um anime é um ''hit'' ou um ''flop'' para cada investidor. Um exemplo, se uma empresa que está num comitê lucra apenas com as vendas de figures, o lucro por venda de DVD/BD é irrelevante para ela.

O que é atraente sobre as vendas de discos é que gostamos de ver animes, e venda de discos é essa manifestação em formato de vendas; é compreensível que esses números nos interessem, mas tenha em mente que as vendas de dvd/bd possuem várias limitações. Várias limitações.

Nota: O texto acima é apenas uma tradução do texto na página FAQ do Someanithing. Não sabe o que é Someanithing? É o site do cara que cataloga todas as vendas de DVD/BD de animes. Ele possui uma sessão FAQ explicativa sobre alguns pontos.

Link Original

2. Qual o ponto do ''se pagou'' dos animes?


Não existe isso. Se no item 1 eu disse que vendas de DVD/BD é apenas uma das várias fontes de lucro, é porque cada anime tem o seu ponto do ''se pagou''.

Investimentos variam e animação não é o único custo. Em games você espera que um título AAA venda muito mais do que um game de nicho ou indie, certo, e com anime não é diferente. O gasto com marketing de Shingeki no Kyojin e Madoka é praticamente maior que a produção inteira de animes como Teekyuu ou Morita-san.

E não existe expectativa de que apenas venda de discos consiga recuperar todo o investimento em animes; isso é bem improvável para a maioria dos animes, e mesmo aqueles que vendem 10.000 cópias por volume podem ficar no prejuízo, o que faz o conceito do ''se pagou'' problemático.

Link Original Item 2.1

Um belo exemplo disso foi quando produtores de anime falaram no quanto custava para produzir uma temporada, e cada um disse um valor diferente.

Uns falaram 250 milhões, outro 150 milhões, outro 200 milhões, já teve quem disse 100 milhões... Então se animes tem gastos bem diferentes, você realmente espera que um anime que custou 150 milhões tenha que vender as mesmas 3.000 cópias que um anime que custou 100 milhões para os fãs falarem que os dois ''se pagaram''? Não funciona assim, e olha que esse é o gasto apenas dos estúdios para a produção do anime, mas tem mais gastos, como dubladores, produção de produtos, realização de eventos, marketing, e por aí vai.

3. E quanto a Manabi Line?


A Manabi Line é uma referência ao fato de um ''documento vazado'' da Ufotable em 2007. Nesse ano eles produziram um anime chamado Gakuen Utopia Manabi Straight, que vendeu 2.899 cópias no primeiro volume e uma média de 2.319 cópias por volume, e foi dito que com essas vendas o anime havia ''se pagado''. Com essa informação, fãs criaram então uma tabela do quanto cada anime teria que vender para ser considerado um flop, um "se pagou" ou um sucesso, e desde então muita gente tem usado essa tabela.

No texto do Someanithing ele diz que a Manabi Line também não deve ser usada como um parâmetro definitivo para saber se um anime é sucesso ou não, porém eu fui além e perguntei ao Kvin do Sakuga Blog sobre essas questões acima, e foi isso que ele me respondeu:


Acima o print da conversa que tive com ele no Twitter, em Setembro, enquanto eu tirava várias dúvidas com muita gente sobre a indústria.

Tradução:

Vendas que determinam sequências: Vender um monte de DVD/BD é ''sempre'' bom, mas isso não significa que é o suficiente para que faça a diferença. Se a empresa que produz o dvd/bd está num posto alto do comitê, eles podem tentar conversar com as outras empresas (ou empresas por fora) para fazer uma sequência. Mas se as empresas principais que pagaram pelo anime são, por exemplo, uma emissora de TV, ou uma editora, o objetivo deles é bem diferente e mesmo que se venda muitos Blu-rays e eles fiquem felizes, pode não ser o suficiente para produzirem mais.

Ainda, a Manabi Line é uma mentira baseada em um dado real. Foi mencionado que Manabi Straight havia vendido o suficiente para ser considerado lucrativo. Então fãs pegaram os dados reportados da Oricon (que não são números reais), e decidiram o quanto um anime teria que vender para fazer dinheiro. Por que é uma mentira? Porque cada projeto tem gastos e expectativas diferentes. Apesar do gasto com os estúdios serem mais ou menos o mesmo padrão, os custos com o resto como marketing SÃO BEM DIFERENTES. Animes mais populares tem propaganda em tudo, tem colaborações com outras IPs importantes, tudo que aumenta os custos e as expectativas. Então tendo isso em mente, nunca existirá uma Manabi Line.

-----------------------------

Quem é Kvin? É o dono do SakugaBlog, que traz notícias sobre a indústria de animes de forma muito competente, inclusive alguns posts sobre a indústria que tem aqui vieram do site dele, e na equipe dele ainda tem muita gente competente que manja de japonês e visitam o país com frequência.

-----------------------------

Estão compreendendo?

Outras coisas que Otakus simplesmente ignoram:

Cada anime é produzido por um grupo de empresas, cada uma dessas empresas tem um foco de produtos para vender. Para o seu anime ter uma nova temporada, é bom que todas as empresas fiquem felizes com suas áreas. Digamos que um anime tenha uma produtora de figures, uma de games, uma de discos e uma que vende licenças, para ter uma segunda temporada tudo tem que vender, e não só os discos; todas as empresas tem que estar felizes e quererem apostar numa nova temporada.

Cada anime tem uma quantidade X de DVD/BD impressos. Um anime como Re:Zero não teve a mesma quantidade de DVD/BD impressos que um Hajimete no Gal, por exemplo, são expectativas diferentes por parte das empresas.

O dinheiro com as vendas de DVD/BD vai, em sua maioria, para quem fabricou o DVD/BD e não para as outras empresas. Eu até essa semana achava que o lucro era dividido entre os membros do comitê, mas não é assim que funciona. Conversando com algumas pessoas enquanto escrevia esse post, me atentaram ao fato de que, se tem uma empresa que fabrica DVD/BD no comitê, é essa empresa que fica com a maior parte do lucro dessas vendas. Claro que isso depende do contrato dos comitês, mas não sabemos como o lucro é repartido em cada contrato.

Um exemplo que posso citar é o comitê de Mahoutsukai no Yome, você pode ver o post aqui, note que a segunda empresa do comitê, e que investiu 30%, é uma fabricante de DVD/BD, o lucro das vendas de discos vai para ela; a Production I.G, que investiu 50%, tem que lucrar com o que ela cuida, então não adianta Mahoutsukai vender muitas cópias de dvd/bd e ir mal nas outras áreas, isso faz com que uma empresa fique no lucro e outra no prejuízo, logo, sem nova temporada, mesmo que tenha vendido muitos discos.

-----------------------------

Vamos agora esclarecer outra coisa, o quanto de lucro um DVD/BD gera para o comitê. Tem muito Otaku que acha que um blu-ray custa 300 dólares, e eu não estou brincando, realmente tem gente que pensa assim, mas na verdade um blu-ray custa em média 7.000 ienes (que dá 61,40 dólares), mas você encontra blu-rays mais baratos que isso na data de lançamento, por 6.000 e pouco ou às vezes até 5.800, 5.900, depende muito e varia também.

Agora vamos para cálculos ok?

Segundo o artigo do ANN, o produtor de Shirobako disse que o anime custou 500.000.000 de ienes para ser produzido.

Eu vou levar em consideração o preço do blu-ray no site oficial de Shirobako, que custa 7.800 ienes.

Shirobako vendeu uma média de 16.373 dvd/blu-ray por volume.

São ao todo 8 volumes.

16.373 x 8 = 130.984 cópias vendidas no total

130.984 x 7.800 (o preço do blu-ray) = 1.021.675.200 ienes

''Chupa Hoss, seu otário, o anime lucrou e muito, não desafie o Deus das Vendas de DVD/BD''

Mas obviamente tem uma pegadinha aí, isso foi o lucro geral das vendas, mas a produção do anime não recebeu isso.

O que acontece é, muito Otaku acha que quando você compra um mangá ou um dvd numa livraria ou loja, você tá pagando para quem produziu, mas na verdade quem produziu aquilo já recebeu o dinheiro, mas foi a loja que comprou e ela está te revendendo aquilo. Aquele lucro é da loja e não de quem produziu.

Digamos que você é uma loja e quer vender blu-rays de Shirobako. Você entra em contato com a empresa responsável pelo blu-ray e diz ''quero tantos BDs''. A depender da quantidade de cópias que você queira, você ganha desconto; quanto maior a quantidade do pedido de um produto, mais barato fica, é assim que funciona.

Então na realidade a produção de Shirobako deve ter lucrado mais ou menos 40% do valor total acima, então foi pro bolso das empresas 408.670.080 ienes, menos do que eles gastaram com o anime, ou seja, um prejuízo.

Mas perae! Shirobako teve um relançamento, eles lançaram um Blu-ray BOX de 2 volumes custando 28.000 ienes cada!

Quanto a quantidade de vendas, 3.158, agora não sei se foram os dois volumes juntos ou cada volume, vamos supor os dois.

Se foram os dois volumes juntos, isso dá um lucro de 88.424.000 ienes, o que na prática dá 35.369.600 pro Comitê.

444.039.680, ainda abaixo do custo de produção

Agora se foi cada volume

479.409.280, ainda abaixo do custo de produção.

Mas espere aí, tem mais, a maior parte desse dinheiro vai para a empresa que produziu os blu-rays (até porque teve um custo para produzi-los), e sim, nós temos uma empresa que produz blu-ray no Comitê de Produção de Shirobako, então o que foi realmente para pagar a animação foi ainda menos do que esse valor. Agora eu entendo perfeitamente porquê a maioria dos animes nem chega a se pagar apenas com dvd/bd.

Então Shirobako vendeu 16k de cópias e ficou no prejuízo, e olha que isso foram os gastos apenas com a animação; ainda teve compra de horário em TV, marketing, realização de eventos, entre muitos outros gastos, mas segundo o produtor, eles lucraram com Shirobako vendendo mercadorias, realizando esses eventos, entre muitas outras coisas.

''Ah Hoss, mas é um anime de dois cours, ele teria que vender mais para ser considerado um sucesso''

Eu podia dar mais um exemplo de um anime de um cour só, mas acabaríamos na mesma situação, ah não ser que eu usasse um mega hit como Bakemonogatari ou Yuri on Ice que vendeu muito, muito e muito, mas poucos animes por ano são mega hits de vendas de discos.

-----------------------------

Não, venda de disco não é fator determinante para decisão de nova temporada e nem é o mais importante, é apenas uma forma de lucro para animes junto a outras tantas formas de lucro. Querer passar informação apenas falando de discos é ser simplista demais e gerar desinformação na comunidade (que aos poucos acorda para isso).

Um exemplo recente de desserviço é o do site GoBoiano, que gosta de falar que vendas de discos são importantes e que animes tem que vender x cópias pra lucrar, ignorando todo o resto.

Porém, existe gente que anda tentando esclarecer isso.

Um exemplo é o próprio pessoal do SakugaBlog, Canipa, o Anime News Network, funcionários do Crunchyroll já usaram seu Twitter para explicar que venda de DVD/BD não é isso tudo que a gente acha (e o Crunchyroll publica matérias sobre), até o dono do Someanithing, que é o site que compila todas as vendas, sabe disso e deixa avisado em seu site.

Só que muita gente simplesmente ignora, tampa os ouvidos e prefere continuar acreditando nisso. E por isso se surpreendem quando um anime que vendeu pouco ganha nova temporada.

-----------------------------

Mais um ponto importante, o quão certo são as estimativas de venda de DVD/BD da Oricon.

A Oricon é uma empresa privada, que faz acordo com lojas para que essas lojas informem a eles quanto eles venderam por semana, porém os dados da Oricon não condizem com a realidade.

Vamos ver um número divulgado pela Oricon, um exemplo, Kakegurui, que segundo a Oricon vendeu 690 cópias do Blu-ray.

Sabe qual é a pegadinha nesse número?
  1. A Oricon não considera vendas para o exterior
  2. A Oricon não consegue traçar a venda de todas as lojas fisicas do Japão
  3. Isso piora com as lojas online
Agora vamos analisar cada um desses itens
  1. A Oricon não considera vendas para o exterior
Você deve tá pensando "e o que é que tem isso?". Quem é que importa o blu-ray do Japão né? Porque isso importaria né, mas muita gente compra.

Eu acreditava que a gente podia ignorar esse número também, até conhecer pessoas que importam os blu-rays e ver que é uma galera realmente grande que faz isso, tanto que a Avex proibiu DVD/BD e CDs de seus animes de serem vendidos pro exterior (ok que ela teve seus motivos, mas se as vendas pro exterior fossem insignificantes, eles não teriam proibido).

      2. A Oricon não consegue traçar a venda de todas as lojas fisicas do Japão

Esse fala por si só, além disso, muitos estúdios possuem suas próprias lojas e eles não informam esses dados a Oricon, como a loja da Kyoto Animation.

      3. Isso piora com as lojas online
    A maioria dos japoneses já preferem comprar online, o mercado fisico de venda de dvd/bd está morrendo muito mais rápido que o online, e a Oricon traça as vendas da Amazon, mas existem outras lojas online mega populares no Japão.

    Então, quando a Oricon diz ''Kakegurui vendeu 690 blu-rays'', leve em consideração + 2 valores.

    20% a mais; ou
    100% a mais.

    Normalmente a Oricon erra dentro desses valores, ou a realidade é 20% maior que o valor que eles falaram ou 100% maior.

    Então em dois possíveis cenários.

    Kakegurui deve ter vendido 828 cópias ou 1.380 cópias.

    ''Ah Hoss, então Shirobako deve ter lucrado mais né?''

    Com toda certeza. Aqueles eram os dados pela Oricon, mas na realidade Shirobako vendeu mais, mas sabemos que mesmo assim o anime não lucrou o suficiente com a venda de Blu-ray/DVD, porque a maior parte desse dinheiro fica com quem produziu os discos e não com o estúdio, além de todos os outros gastos.

    Outro caso que posso citar aqui é o de Nichijou, os produtores de Nichijou falaram que o anime ficou bem abaixo das expectativas de vendas de discos, mas esse não foi o único problema; na verdade a produção de Nichijou cometeu alguns vacilos que causou um lucro abaixo pro anime, caso eles tivessem feito a coisa correta provavelmente teria lucrado mais e teríamos uma nova temporada.

    Caso queira entender melhor clique aqui

    -----------------------------

    Agora vamos responder outra coisa que possívelmente comentarão aqui, e quanto a Sasaki Marina, que no final de 2015 disse que se um anime não vender blu-rays suficiente, o anime não ganha segunda temporada?

    Primeiro, quem é Sasaki Marina? Ela é uma produtora de animes, ela é que fica encarregada de juntar as empresas e produzir um anime, e no final de 2015 ela foi no Twitter reclamar que os fãs reclamam que os animes não ganham nova temporada e ela disse que é porque não se vende blu-ray suficiente.

    ''Agora eu te peguei Hoss! UMA produtora falou isso no Twitter, tudo que você escreveu acima estava errado!''

    De fato, o que um produtor fala nós devemos levar em consideração, mas o que um produtor fala não necessariamente vale para toda a indústria.

    Marina Sasaki esteve na produção de apenas 7 animes, e se ela reclamou das baixas vendas de DVD/BD, é porque os comitês eram mais estruturados visando essas vendas de discos, o que é um negócio bem arriscado querer depender apenas disso.

    O último anime que Marina produziu foi Endride de 2016, que até onde eu sei foi outro flop, então a vida toda dela foi praticamente produzindo animes que floparam, por isso a frustração talvez?


    Provavelmente ela está envolvida em animes mais novos, pois vi no Twitter dela ela compartilhando e falando sobre animes novos, mas enfim.

    E os animes que ela produziu realmente não tinham muito apelo para vender (não só discos, mas geral, mercadorias, etcs, o mais famoso que ela participou foi Parasyte).

    Mas já que o que um produtor fala nós temos que levar em consideração, que tal o de Durarara e o de Shirobako, que falaram que seus animes lucraram por causa da venda de mercadorias, eventos e licenças? É o que eu gosto de falar, cada caso é um caso, e o que cada produtor fala vale para ele.

    Outro exemplo é o mangaká de Keijo, que reclamou dos dados da Oricon, a Oricon reportou que seu anime havia vendido apenas 715 cópias no volume 1, já o estúdio disse que o número estava perto de 7000. Ele até questionou a precisão dos dados da Oricon.

    Um exemplo mega recente e que tá sendo usado como desculpa é o do anime Anime-Gataris, onde os personagens falam que vendas de discos são importantes (eles também falaram que vendas de licenças são importantes, mas o público ignorou essa parte).

    Mas por que Anime Gataris disse isso? Simples, ao olhar a lista das empresas que pagaram pelo anime, você verá que são empresas mega novatas, e que produziram ovas e filmes pequenos no passado e que obviamente dependiam mais de vendas de discos; não dá para generalizar essa informação apenas porque tava em Anime Gataris.

    Se tem uma coisa que eu aprendi lendo sobre a indústria, é que o que um produtor fala, vale apenas para ele, e não para a indústria inteira, pois cada um fala algo diferente e sempre será assim (amanhã pode aparecer um produtor falando que venda de disco é o mais importante, e uma semana depois outro falando que Streaming é o mais importante e por aí vai).

    É a mesma coisa de eu falar que todo blog de anime funciona igual, que todos usamos o mesmo sistema e lucramos de forma igual, e depois vir outro blog e falar que para ele é diferente.

    Um exemplo mega recente disso é isso aqui, onde gente da indústria falou que a Netflix está ajudando muito os animes, que o salário de algumas pessoas aumentaram e eles estão tendo mais liberdade criativa, e logo depois animadores levantam uma hashtag no Twitter informando que seus salários continuam ruins, mesmo com o envolvimento da Netflix. Em quem acreditar? Nos dois ué, cada caso é um caso.

    Outro exemplo foi no caso do programa da NHK, onde a emissora entrevistou algumas pessoas da indústria e uns diretores falaram que recebiam dinheiro pelas vendas de discos de seus animes, e a NHK falou que todo diretor recebia, daí o diretor de Gintama foi ao Twitter falar que ele nunca recebeu nada por venda de discos, que ele só era pago pra produzir o anime e pronto e, novamente, o que é verdade para um não é verdade para outro.

    Outro exemplo que posso citar é o de Princess Principal, no Japão falaram para o povo comprar os blu-rays ou jogar o game mobile, que assim ajudaria a ter segunda temporada; no ocidente, o diretor disse que a Bandai falou a ele que se eles vendessem mais figures teríamos segunda temporada. Percebeu? Eles tem que lucrar com tudo, porque no comitê, tem quem produz figure, quem produz o dvd/bd e quem produz o game, e pra ter nova temporada os 3 tem que lucrar.

    ---------------------------

    Pode ser que existam animes que dependem mais de venda de discos atualmente? Pode ocorrer sim, principalmente produzidos por empresas pequenas que não tem muita verba para produzir outras coisas, mas no geral, essas vendas significam pouco e não são o que nós achamos.

    ---------------------------

    Abaixo alguns links complementares para esse post:
    ATUALIZADO dia 17/02/2018

    Eu literalmente recomendo esse trend aqui no twitter de um dos funcionários do Crunchyroll.
    Também recomendo esse artigo do ANN falando sobre a Oricon e porquê ela é prejudicial.
    Recomendo também vocês lerem o report da AJA sobre a indústria.
    Sobre os reports da Oricon.
    Queda nas vendas de discos.
    Matéria especulando sobre segunda temporada de Amanchu, onde autor cita que vivemos numa época em que vendas de discos não são mais um fator determinante para novas temporadas.
    Entrevista no Crunchyroll com o diretor da CoMix Wave Films sobre DVD/BDs estarem em decadência
    Crunchyroll já contribuiu com mais de 100 milhões de doláres para a Indústria de animes
    Relatório do lucro dos animes em 2016
    Produtor de Pop Team Epic diz que vendas de DVD/BD estão caindo e que foco é em Streaming e Venda pro exterior

    Para tirar dúvidas da indústria, podem mandar mensagens e perguntas pro Megax, que ele responderá (eu acho), mas mandem em inglês ok. Ele manja bem mais da indústria do que eu, clique aqui.

    Caso queiram perguntar para mim, cliquem aqui.

    Cada caso é um caso.

    E é por isso que eu adotei aquele modelo de análise do Fez Sucesso, analisando empresa por empresa no comitê de produção e vendo se eles estão tendo sucesso.

    -----------------------------

    Animes que venderam ''pouco''* mas que ganharam novas temporadas

    *Pouco para os fãs, pois podiam ser números que os produtores estavam esperando mesmo

    Chihayafuru    -  2011  -  2.831 vendas
    Chihayafuru 2 -  2013  -  3.331 vendas

    Chihayafuru vendeu 2000 cópias e teve segunda temporada, e antes que você cite o mangá, a editora não participou da produção do anime, então o mangá vender mais ou menos não influenciava nada na decisão de nova temporada.

    Choujuushin Gravion    - 2002 - 1.467 vendas
    Choujuushin Gravion 2 - 2004 - 3.206 vendas

    ClassicaLoid - 2016 - 235 vendas

    E tem segunda temporada sendo transmitida atualmente, e não possui mangá, é um anime original, então por que ganhou segunda temporada? Porque quem tá pagando pelo anime é a NHK, emissora de TV; se deu a audiência que eles queriam, eles ficaram felizes e pagaram por mais uma temporada, mesmo vendendo 200 cópias de discos, apenas.

    Concrete Revolutio vendeu 666 na primeira temporada e teve segunda temporada, vendendo 477. Anime original.

    Dagashi Kashi vendeu uma média de 1559 cópias de discos e ano que vem estreia a segunda temporada.

    Dance with Devils vendeu 1801 cópias e teve filme.

    Gakusen Toshi Asterisk vendeu 2.173 na primeira temporada e 1.874 na segunda.

    Galaxy Angel teve várias temporadas e vendia 4000/5000 mais ou menos, teve uma temporada que vendeu 1900.

    Gekkan Shoujo Nozaki-kun vendeu 10.000 cópias e até agora nada de segunda temporada, tô esperando. Eu realmente quero muito mais Gekkan Shoujo ;-;

    Genshiken 1 vendeu 5880 cópias, a segunda temporada, 2.567, e a terceira, 1.190.

    Gin no Saji vendeu 2.246 e sua segunda temporada, 1.290.

    Hataraku Maou-sama! vendeu 11.802, e até agora nada de segunda temporada.

    Inu x Boku SS vendeu 10.890 e também não tem segunda temporada.

    Jigoku Shoujo vendeu 3.253 na primeira temporada, a segunda vendeu 2.375, a terceira vendeu 1.460 e a quarta vendeu 861.

    E a lista vai e vai. Por isso que eu gosto de avaliar cada caso como sendo um caso: o anime vende ''mal'', mas ganha nova temporada, o anime vende ''bem'' e nunca ganha, por quê? Não sabemos, eles não divulgam; algo deu errado para quem vendeu muito e algo deu certo para quem vendeu pouco, ou um anime foi planejado para ser só aquela temporada e pronto (independente do quanto ele venderia) ou outro já tava programado ter duas temporadas, três, etc.

    Posso citar Overlord também, que assim que terminou a primeira temporada o diretor já foi convidado a produzir a segunda.

    Caso tenha curiosidade você pode ver o quanto cada anime vendeu aqui.

    ------------------------------

    Consideração final

    Um dia as vendas de discos foram sim importantes, mas hoje, não. Hoje você não pode cravar com toda certeza ''vendas de discos são o mais importante, tem que vender x pra lucrar'', não funciona mais assim, estamos numa época que um anime que vende 2000 cópias pode ganhar uma segunda temporada tranquilo, como Amanchu.

    Os tempos mudam, algo que era comum 5 anos atrás já não vale para hoje, estamos em 2017, não 2005.

    Na história dos animes, já tivemos períodos em que audiência era o mais importante, que discos eram o mais importantes e hoje estamos caminhando para o Streaming e Eventos. Sim, eventos.

    Para quem não sabe eu sou dono da Did You Know Anime. Essa página não era minha, eu consegui ela pois o dono antigo não cuidava mais, e quando eu tive a página, a equipe era formada por asiáticos (o dono era americano), e eu fiz amizade com alguns, e um deles é japonês, e ele me diz que eventos de animes são bem importantes e grandes, que eles lucram muito com esses eventos, pois as vezes cobram ingressos caros e vendem muitas mercadorias lá. Se você for ao Japão, recomendo ir a um evento para testemunhar.

    É isso.

    Obrigado.
    Leandro Hoss.













    0 comentários:

    Postar um comentário