Diretor de FMAB critica formato de lançamento por temporadas por causa das condições dos animadores novatos

Diretor de FMAB critica formato de lançamento por temporadas por causa das condições dos animadores novatos




Os "inbetweeners", são um grupo vital de animadores, porém muito ignorados, que ajudam a dar vida aos seus show favoritos. Seu trabalho não é glamuroso, eles são responsáveis por desenhar as imagens que vão entre os quadros chave. Basicamente, eles desenham os segmentos de movimento de cenas, e mesmo se eles fizerem um bom trabalho, você provavelmente não vai perceber isso.

Diretor de FMAB critica formato de lançamento por temporadas por causa das condições dos animadores novatos

Entre os animadores, eles são geralmente os membros mais jovens e inexperientes de uma equipe de animação. Muitos grandes diretores, artistas de storyboard e designers começaram como inbetweeners. A posição é geralmente vista como uma forma de jovens animadores ganharem experiência e aprenderem os conceitos básicos da indústria, porém eles estão desaparecendo lentamente...

As preocupações que ameaçam os inbetweeners são grandes expedientes, salários baixos e nenhuma estabilidade. Como um todo, a indústria é bem severa com suas 11 horas de trabalho por dia, 4 folgas por mês e um salário anual médio de 3,3 milhões de ienes (30.136 dólares). Para referência, o salário anual médio japonês é cerca de 20% maior que isso, cerca de 4,14 milhões de ienes (37.467 dólares).

Yasuhiro Irie é uma figura reconhecida e respeitada na indústria. Ele trabalha desde 1992, tendo feito parte de grandes obras como Cowboy Bebop (animador principal), RahXephon (diretor de animação), e Fullmetal Alchemist Brotherhood (diretor). Ele começou sua carreira como inbetweener e conhece muito bem as lutas que enfrentam.

Diretor de FMAB critica formato de lançamento por temporadas por causa das condições dos animadores novatos

Em vez dos estúdios assumirem trabalhadores jovens em empregos de escritório com um bom nível de entrada, muitos estão enviando parte do trabalho para estúdios chineses e sul-coreanos. Irie estima que 80% a 90% do trabalho intermediário é realizado no exterior, o que limita a oportunidade para os jovens animadores entrarem na indústria e aprenderem novas habilidades.

Irie culpa o modelo de produção da indústria, que tem tido um aumento acentuado na quantidade de shows que tem feito. "A razão para isso é que mais títulos de animação estão sendo produzidos hoje do que antes e que mais e mais desses títulos estão sendo produzidos em blocos trimestrais".

Diretor de FMAB critica formato de lançamento por temporadas por causa das condições dos animadores novatos

Irie está se referindo ao modelo sazonal de lançamento, ou como nós dizemos "as temporadas", em que uma série passa 3 meses no ar antes de ser concluída. No passado, as séries passavam pelo menos um ano inteiro em lançamento, o que Irie acredita que era benéfico para o desenvolvimentos de suas habilidades enquanto melhorava como animador. Sua preocupação com a indústria é que "começar a cada três meses é uma maneira ineficiente de trabalhar". Irie continua: "Isso dispersa sua força de trabalho e você acaba preenchendo as lacunas na sua equipe inadequada com terceirização no exterior".

De acordo com Irie, há muitos talentos jovens no Japão, mas que acabam parando porque o salário é muito baixo, o que também cria uma falta de mão de obra. E como estúdios estão tendo que recorrer ao exterior graças aos curtos prazos de 3 meses para as animações, o Japão está perdendo sua habilidade de cultivar novos talentos.

Irie lamenta: "O Japão é capaz de cultivar muitos novos talentos, se apenas as pessoas pudessem trabalhar e viver de maneira ininterrupta e decente".

O que vocês acham sobre isso? Não é de hoje que todos nós sabemos que a indústria de animes passa por uma crise gigante que só se acumula com o passar do tempo, e que se o Japão não mudar isso logo, essa crise um dia vai explodir...

Fonte












0 comentários:

Postar um comentário