Mangaka cobra pagamento de quase 12 anos de horas extras

Mangaka cobra pagamento de quase 12 anos de horas extras





Ex-assistente de manga exige pagamento não 
recebido de suas horas extras.

O mangaka Shunsuke Kakuishi (Yawara no Michelangelo) levantou um assunto muito serio em seu blog no último domingo (07/01), de que ele não recebeu pagamento de suas horas extras por trabalhar como assistente para Norifusa Mita (Investor Z; Dragon Zakura) por 11 anos e 7 meses. Kakuishi está solicitando o pagamento dessas horas extras de Mita por trabalhar horas, além da sua jornada regular, todos os dias da semana durante esse período. O objetivo de Kakuishi com essa postagem é de revelar os problemas, que já não são uma surpresa, que os assistentes sofrem na indústria de manga, e pede que seja feito uma reforma.

Mangaka cobra pagamento de quase 12 anos de horas extras

Ainda em dezembro, durante uma entrevista para a Yahoo! News Japan, Norifusa Mita afirmou que seus assistentes possuem três dias de folga por semana e que jornada extra é proibido para que eles possam ter tempo suficiente de descanso. Quanto a reforma no ambiente de trabalho, Mita disse que ele terceiriza os desenhos para uma empresa, e acredita que esse sistema de terceirização é o primeiro na indústria de manga do Japão.

A postagem de Kakuishi em seu blog é uma resposta direta as alegações de Mita na entrevista para a Yahoo!. Ele trabalhou para Mita até o mês de abril de 2017 e disse que não recebeu nenhuma hora extra sequer, apesar de ter trabalhado além de sua jornada regular quase toda semana. Kakuishi alega que enquanto esteve prestando serviços para Mita, ele trabalhou oito horas por dia, de Segunda a Quarta-feira, conforme o próprio Mita disse que faz atualmente na entrevista. Porém, Kakuishi disse que pouco antes do horário prevista de saída nas Quintas, ele e outros assistentes tiravam um intervalo pequeno para jantar e então continuavam trabalhando. Ele disse que sempre trabalhavam até as 22:00 ou 23:00, mas que às vezes chegavam a trabalhar até 0:00 ou 1:00 nas Sextas. Kakuishi disse que ele mantém registro de seus horários, e que tem o número exato de horas que ele trabalhou para Mita.

Kakuishi também relatou que ele nunca trabalhou virando a noite inteira, como outros assistentes da indústria afirmam sofrer. E que apesar de não ter recebido as horas extras, ele reconhece que suas condições de trabalho com Mita eram melhores do que as condições de vários outros assistentes por aí.

"Apesar de ser melhor do que o padrão da indústria, não posso dizer que era algo completamente 'branco'. Mas, se tratava de um ambiente de trabalho que seguia os padrões", disse Kakuishi. A menção "branco" na fala dele se refere ao conceito de "empresas obscuras" e "empresas brancas" no Japão. As "empresas obscuras" são conhecidas por exigirem longas horas de trabalho ao mesmo tempo em que pagam pouco, o que acabam levando ao karoshi (morte por trabalho excessivo). Em contraste, as "empresas brancas" valorizam seus funcionários e se esforçam para garantir uma boa condição de vida social e profissional.

Além disso, Kakuishi explicou que, mais do que somente uma tentativa de receber as horas extras que ele merece, o objetivo da postagem em seu blog é para ajudar de alguma forma a melhorar o ambiente de trabalho para os assistentes na indústria de manga.

Kakuishi espera que sua revelação sobre as horas extras não pagas encoraje outros assistentes a falarem sobre os problemas que eles enfrentam diariamente no dia a dia de trabalho. Ele acredita que esse tipo de atitude irá ajudar a prevenir penalidades e sanções a assistentes que decidam falar sob tais circunstâncias. Apesar de ser um pedido individual, ele acredita que sua solicitação de pagamento seja uma forma dele contribuir com a sociedade e espera que isso ajude a iniciar uma mudança na forma de trabalho na indústria.

Industria Manga Horas Extras

Em um tweet, já deletado, pelo mangaka Kyosuke Usuta (Pyu to Fuku! Jaguar, Sexy Commando Gaiden: Sugoi yo!! Masaru-san) respondeu a postagem de Kakuishi. Usuta disse que Kakuishi tem um entendimento errado da indústria de Manga. Ele alega que, baseado nas habilidades, uma "porção" de pessoas que trabalham com estabilidade como assistentes profissionais "recebem salários altos e sustentam famílias". Ele ainda complementou dizendo que essas pessoas são livres para escolherem seus locais de trabalho, e sugeriu que assistentes que estejam insatisfeitos deveriam procurar um novo emprego.

Kakuishi respondeu Usuta no Twitter: "Usuta-sempai, acredito que aqueles que não estão entendendo bem são os criadores de manga". De acordo com Kakuishi, o próprio tweet de Usuta prova seu ponto de que a exploração de assistentes é algo que prevalece na indústria.

Kakuishi, que hoje é criador de manga, lançou Yawara no Michelangelo, um manga com temática judô, na revista da Hakusensha, Young Animal Arashi em Outubro do ano passado.














0 Comentários:

Postar um comentário